terça-feira, 19 de agosto de 2014

UM PLANO DE SALVAÇÃO...P/13..19/08/2014


                                   
                   Luzes Para os Dias de Trevas

Os cristãos devem ser uma influência estranha, um grupo minoritário num mundo pagão. Se a igreja é aceitável à era atual e não está criando confusão ou sofrendo críticas, então não é a verdadeira igreja que o nosso Senhor fundou. Somos a "luz do mundo" e a luz revela ou mostra as coisas. Se estamos em paz com este mundo, é porque nos vendemos a ele ou então fizemos um acordo com ele.
Moody falou certa vez: "Se o mundo não tem nada a dizer contra ti, cuidado para que Jesus Cristo não tenha nada para dizer a teu favor."
 O maior testemunho para este mundo de trevas de hoje seria um bando de homens e mulheres crucificados e ressuscitados, mortos para o pecado e vivos para Deus, suportando em seus corpos "as marcas do Senhor Jesus".
                   
           O que a Bíblia Diz dos Crentes Sofredores

Se você crê em Jesus Cristo, você é um "santo". A palavra é mal compreendida hoje em dia. Este termo foi alterado no vernáculo moderno, passando a significar alguém que é uma espécie de "super-cristão"; porém, na realidade, todo o povo de Deus é feito de santos "destacados" e dedicados a Seu serviço. Aquele que ler a Bíblia e achar que o sofrimento não é a sinal do cristão está lendo a Santa Escritura cegamente e sem compreendê-la. Eis alguns dos versículos que falam claramente do sofrimento que espera os crentes e da oferta positiva de ajuda divina durante as épocas de sofrimento.
Disse o salmista: "Muitas são as aflições do justo, mas de todas elas Jeová o livra." (Salmos 34:19)
Repare que a promessa não é de que não haverá aflições, mas que ficarão livres delas.
A Bíblia Viva diz: "O homem bom não escapa de todas as tribulações ele também as tem. Mas o Senhor o ajuda em toda e cada uma delas."
Falando a seus discípulos ao término de Seu ministério e na véspera de Sua morte, Jesus disse:
 "Eu vos tenho falado estas coisas para que tenhais paz em mim. No mundo tereis tribulações; mas tende bom ânimo, eu tenho vencido o mundo." (João 16:33)
Traduza a palavra tribulações como desejar, dificuldades, problemas, pressões, mas Jesus diz, inequivocamente, que os cristãos as terão.
 Mas Ele também promete a Sua presença conosco nessas tribulações.
Neste caso, novamente a promessa implícita não é a de livrar de, mas a de dar o poder para vencer em meio a quaisquer circunstâncias que possam ocorrer. E, no final, nós sabemos, a nossa liberdade das artimanhas do mundo será total, pois virá o dia em que nosso Salvador voltará a assumir o controle do mundo que criou.
No momento, Satanás é seu príncipe, mas o Príncipe da Paz tem data marcada para voltar e a Sua vitória sobre Satanás e suas forças será completa!
                                               
                             Espere a Perseguição

No começo de Seu Sermão da Montanha, Jesus incluiu essas palavras: "Bem-aventurados os que têm sido perseguidos por causa da justiça, porque deles é o reino dos céus.
 Bem-aventurados sois, quando vos injuriarem, vos perseguirem e, mentindo, disserem todo o mal contra vós por minha causa. Alegrai-vos e exultai, porque é grande o vosso galardão nos céus, pois assim perseguiram os profetas que existiram antes de vós." (Mateus 5:10-12)
Segundo o que Jesus diz aqui, não apenas devemos esperar a perseguição como nossa sina ao seguirmos o cristianismo; devemos rejubilar-nos com essas perseguições!
Paulo fez eco a essa instrução divina quando escreveu aos filipenses que estavam sofrendo por sua fé: "Regozijai-vos sempre no Senhor; outra vez vos digo, regozijai-vos." (4:4)
Eles deviam regozijar-se não apenas quando as coisas iam bem, mas sempre! As circunstâncias não devem colorir as nossas reações à perseguição. Sempre que, como cristãos, encontrarmos provações e tentações devemos regozijar-nos repetidas vezes, até o fim de nossas vidas.
O apóstolo João, ao registrar a mensagem de Cristo à igreja em Esmirna, escreveu: "Não temas o que estás para sofrer; eis que o diabo está para meter alguns de vós na prisão para serdes provados e passareis por uma tribulação... Sê fiel até a morte, e eu te darei a coroa da vida." (Apocalipse 2:10)
 Embora possa parecer misterioso, a verdadeira fé e o sofrimento andam de mãos dadas. Não se pode ter um sem o outro.
Novamente, é difícil entender que o sofrimento acontece com a permissão de Deus, e muitas vezes nós mesmos o atraímos. É errado acreditar, por exemplo, que, se você está doente, é porque Satanás o fez adoecer, e que, se tiver fé bastante, a doença irá embora.
Às vezes, Deus liberta, mas nem sempre, e quando Ele permite o sofrimento, a Sua graça é suficiente para que você o suporte. Ele lhe dá uma força adicional. Caminha de mãos dadas com você durante o seu sofrimento, mas isso não quer dizer que, necessariamente, vá libertá-lo dele.
Escrevendo para Timóteo, seu jovem filho na fé, disse Paulo:
"Ora, todos aqueles que querem viver piamente em Jesus Cristo serão perseguidos". (II Timóteo 3:12, o grifo é meu)
 Isso é falar com bastante franqueza!
Acho que o princípio é declarado com clareza para que você e eu, como cristãos, não tenhamos mais dúvidas. É verdade que alguns parecem sofrer por sua fé bem mais do que outros. Alguns de nós jamais soubemos o que significa ser fisicamente perseguido por nossa fé, porém, todos os verdadeiros cristãos estão sujeitos a um sofrimento sutil e a uma perseguição insidiosa. Ela pode residir na ridicularização de nossa fé por parte do mundo que nos cerca. Pode também existir na discriminação discreta muitas vezes praticada contra os princípios cristãos na arena sofisticada da economia e da sociedade.
Por exemplo, existem com freqüência práticas discriminatórias contra o empresário, líder sindical ou figura política que tenta seguir a ética e a moral bíblicas. Perseguições sutis podem ocorrer no seu escritório, na escola ou em reuniões sociais. Você pode "não estar com nada" e "não fazer parte da turma".
                                                
                                Palavras de Pedro

Na sua primeira Epístola, o apóstolo Pedro disse a seus leitores:
 "Amados, não estranheis a ardente provação que há no meio de vós, e que vem para vos pôr á prova, como se vos acontecesse coisa estranha, mas visto que sois participantes dos sofrimentos de Cristo, regozijai-vos, para que também na revelação da Sua glória exulteis cheios de júbilo. Se sois vituperados pelo nome de Cristo, bem-aventurados sois; porque o Espírito da glória e de Deus repousa sobre vós. Nenhum de vós, porém, padeça como homicida, ou ladrão, ou malfeitor, ou como quem se intromete em negócios alheios; mas se padeceis como cristão, não vos envergonheis, antes glorificai a Deus neste nome... Portanto, também aqueles que sofrem segundo a vontade de Deus confiem as suas almas ao fiel Criador, praticando o bem." (I Pedro 4:12-19)
Nenhum sofrimento que o cristão suporte por Cristo é em vão. Viver por Cristo, seguir a Sua orientação não é um caminho fácil, mas é o caminho para a paz e o poder. O caminho da Cruz é duro, mas oferece recompensas eternas.
Os princípios bíblicos que dizem respeito à capacidade de suportar a dor e a perseguição ainda são os mesmos da época em que nos foram apresentados na Palavra de Deus. Alguns de nós poderemos morrer, ou pelo menos sofrer, por nossa fé. O século XX viu mais gente sendo torturada e morta por Cristo do que qualquer outro século. Nossa geração conheceu os seus mártires, como Paul Carlson, o missionário no Congo que foi morto tentando salvar outras pessoas. O jovem Jim Elliot foi assassinado, juntamente com quatro amigos, quando tentava levar o Evangelho aos índios auca do Equador.
O bispo Luwum era o arcebispo da Igreja Anglicana de Uganda. Foi baleado na cabeça, à queima-roupa.
TEM CONTINUAÇÃO.
                                        FACEBOOK DO EDITOR...

                     http://facebook.com/JOSEGERALDODEALMEIDA

terça-feira, 29 de julho de 2014

UM PLANO DE SALVAÇÃO...P/12..29/07/2014

        

       VEJA AS RECOMPENSAS NESTA OUTRA LISTA:

1.      Maior glória no céu (II Co. 4:11)
2.      Tornar Jesus conhecido (II Cor. 4:11)
3.      Levar vida aos outros (II Cor. 4:12)
4.      Tornar a graça manifesta (II Cor. 4:15)
5.      Reinar com Cristo (II Tim. 2:12)
6.      Dar glória a Deus (1 Ped. 4:16)
7.      Experimentar grande alegria (1 Ped. 4:13, 14)

E quanto ao homem médio que professa o cristianismo? Viver para o Senhor Jesus Cristo não parece ser prioridade. Às vezes, é difícil diferenciar o cristão do homem do mundo. No Brasil, por exemplo, ir à igreja tornou-se popular, mas ir à igreja não significa, necessariamente, profundidade na oração, estudos da Bíblia ou uma mudança no estilo de vida. Diz a Escritura: "Se alguém está em Cristo, é uma nova criação; passou o que era velho, eis que se fez novo." (II Coríntios 5:17)
Espera-se que aqueles que crêem sejam diferentes do mundo que os cerca. Eles serão membros da nova sociedade e da nova comunidade que Deus criou. Muitos sentam-se em confortáveis bancos de igreja e cantam sem pensar:

Nossos pais, acorrentados em escuras prisões,
Tinham o coração tranqüilo e a consciência livre;
Que doce seria o destino de seus filhos,
Se, como eles, pudessem morrer por vós.
Frederick W. Faber

Paulo disse a Timóteo: "Todos aqueles que querem viver piamente em Cristo Jesus serão perseguidos." (II Timóteo 3:12) Jesus não nos convidou para um piquenique, mas para uma peregrinação; não para uma brincadeira, mas para uma briga. Ele não nos ofereceu uma excursão, mas uma missão. Nosso Salvador disse que teríamos que abdicar do ego, do pecado e do mundo. Desafiou-nos a erguer a cruz e disse que, no mundo, teríamos tribulações. Muitos programas cristãos de TV e rádio foram criados para agradar, divertir e ganhar as graças deste mundo. A tentação é entrar em acordo, tornar o evangelho mais interessante e atraente. Às vezes, olhei para as câmeras e me dei conta de que vários milhões de pessoas estavam me vendo. Sei que muitas das coisas que citei da Santa Escritura são agressivas e, às vezes, me senti tentado a suavizar a mensagem. Porém, com a ajuda de Deus, jamais o farei! Eu me tornaria um falso profeta. Além disso, trairia o meu Senhor. O preço de servir a Cristo não é baixo. Queremos parecer-nos demais, ao invés de menos, com a era atual. Tentamos argumentar que os tempos mudaram, que a humanidade é mais cristã e que a igreja está numa posição melhor, e que, portanto, não precisamos sofrer como sofreram nossos antepassados. Queremos "fazer parte da turma", seja no clube masculino ou no grupo  feminino. Contudo, quanto mais pertinentes nos tornamos para um mundo dominado pelo pecado, mais impertinentes somos para Deus, embora sem o percebermos. Em Romanos 12:2, Paulo escreve: "Não vos conformeis mais com este mundo, mas transformai-vos pela renovação da vossa mente." J.B. Phillips dá a sua versão para estas palavras: "Não deixe que o mundo o faça à sua maneira, mas deixe que Deus remodele as suas mentes de dentro para fora." É muito fácil para os cristãos se amoldarem a este mundo. Muitas vezes eles pensam que, não sendo "diferentes", estão se tornando mais aceitáveis aos seus amigos não-cristãos. Porém, este é um grande erro. O mundo realmente não tem muito respeito pelos costumes e idéias adotados pelos cristãos. Tende a encará-los com desdém e a rifá-los como sendo covardes envergonhados de sua fé ou fraudes cuja profissão de fé não é sincera. Nossa tarefa na vida não é ser popular, mas sim fiel. É mais importante ganhar o "muito bem" do Mestre do que o "aí, meu camarada" do mundo. É melhor ser considerado um homem de Deus do que um homem do mundo. A Bíblia diz: "Não sabeis que a amizade do mundo é inimizade contra Deus? Aquele, pois, que quiser ser amigo do mundo constitui-se inimigo de Deus." (Tiago 4:4)
                                                 
                                Contando o Custo

A salvação é grátis, mas o aprendizado tem o seu preço. Dois mil anos antes de Cristo, Moisés teve que escolher entre a reprovação de Deus e os prazeres do Egito. O jovem e rico governante conhecia o luxo e a fartura. Não estava interessado em sofrimento e sacrifício, assim como nós não estamos. Hoje em dia, provavelmente poderia pertencer a qualquer igreja. Mas, antigamente, antes que um homem pudesse ingressar numa igreja, Cristo fazia com que ele medisse o custo. Em João 6, vemos que, quando grandes multidões O seguiram, Ele lhes disse, três vezes, que a não ser que estivessem dispostos a pagar o preço, não poderiam ser Seus seguidores. Nunca se fala "Cristo e...", é sempre "Cristo ou..." Cristo ou Belial, Cristo ou César, Cristo ou o mundo, Cristo ou o Anticristo. Jesus falou: "Quem não é comigo é contra mim; e quem comigo não se ajunta espalha." (Mateus 12:30)
Tornamos o cristianismo fácil demais, especialmente nas partes do mundo em que ele é a religião majoritária. No começo, como acontece na maior parte do mundo hoje em dia, os seguidores de Jesus tinham que medir os custos. Tinham que estar dispostos a negar a si mesmos, erguer a sua cruz e acompanhar Jesus. Porém, hoje em dia, especialmente em alguns países ocidentais, não pedimos tais coisas dos membros da igreja. A igreja perdeu a sua capacidade de castigar os membros que vivem abertamente o pecado. Conseqüentemente, perdemos o nosso testemunho na comunidade.
                           
                     As Marcas de Cristo ou do Demônio

Aqueles de nós que professamos ser cristãos não precisamos nos perguntar: "Carregamos as marcas de Cristo?"; ou "Carregamos as marcas daquilo que nos escraviza?" O escravo é sempre marcado por seu senhor. Esta geração hedonista faz a sua própria propaganda pelos rostos dissipados, mãos trêmulas e comportamento irrequieto. Todos os sedativos não conseguem aquietá-los, nem os cosméticos podem disfarçar as cicatrizes. Eles carregam as marcas do seu senhor.
Muitas vezes fiquei parado numa esquina, lendo as fisionomias dos transeuntes. Às vezes, podia ver as marcas de um gênio ruim, ressentimentos ocultos ou pensamentos maus; eles aparecem nas rugas, na boca caída, no olhar.
A Bíblia nos ensina que ninguém pode servir (ser o escravo de) a dois amos. O demônio tem seus escravos, e Cristo tem os dEle. Você e eu percebemos as marcas de Cristo ou as marcas do demônio. A Bíblia diz que algumas das marcas do demônio são "a fornicação, a impureza, a lascívia, a idolatria, a feitiçaria, as inimizades, as contendas, (...) as facções, as dissenções, os partidos, as invejas, as bebedices, as orgias, e outras coisas semelhantes". Além disso, aqueles que se dedicarem a "tais coisas não herdarão o reino de Deus." (Gálatas 5:19-21)
                                 
                    O Cristão Também Traz Cicatrizes

Nós, cristãos, temos que carregar as marcas de nosso amo de modo tão evidente quanto os seguidores do "deus deste mundo". É por isso que o sofrimento é inevitável para nós e porque as pessoas piedosas nos dois Testamentos sabiam o que significava sofrer do mesmo modo que sabiam o que significava triunfar. No livro Liberdade de um Cristão, publicado em 1520, Martinho Lutero declarou: "Quanto mais um homem é cristão, mais maldades, sofrimentos e mortes tem que suportar."
Em Perfeição Cristã (publicado dois séculos mais tarde, em 1726), disse William Law: "Seria estranho supor que a humanidade fosse redimida pelos sofrimentos do Salvador para viver na tranqüilidade e na comodidade; que o sofrimento fosse a expiação necessária para o pecado e que, no entanto, os pecadores fossem eximidos de sofrer." As marcas da Cruz não devem ser confundidas com a austeridade auto-infligida ou os rigores da Idade Média atualizados. Não devemos buscar o sofrimento intencionalmente ou infligi-lo a nós mesmos com a idéia errônea de que, dessa forma, ganharíamos um crédito especial com Deus. O ascetismo não é necessariamente uma virtude. Cristo advertiu a Seus seguidores: "Quando jejuardes, não tomeis um ar triste como os hipócritas; porque eles desfiguram os seus rostos para fazer ver aos homens que estão jejuando." (Mateus 6:16) Isto foi uma clara advertência para não nos vangloriarmos das provações que causamos a nós mesmos.
Suportar a nossa cruz não quer dizer usar saco de aniagem e ter ar de mártir. O que nos é exigido é a humildade, não a humilhação; não pensar mal de nós mesmos, mas simplesmente não pensar em nós mesmos. Há pessoas que acham que toda dorzinha de cabeça é uma parte da sua cruz. Tornam-se mártires cada vez que ouvem críticas. Às vezes, merecemos as críticas que recebemos. Só somos abençoados quando os homens falam mal de nós, falsamente, pelo amor de Deus.
TEM CONTINUAÇÃO.
                                        FACEBOOK DO EDITOR...

                     http://facebook.com/JOSEGERALDODEALMEIDA

quinta-feira, 17 de julho de 2014

UM PLANO DE SALVAÇÃO...P/11..17/07/2014

                

                                  Para nos Ensinar Paciência

o sofrimento também nos ensina a paciência.
Estas palavras foram encontradas rabiscadas na parede de uma cela de prisão, na Europa: "Creio no sol, mesmo quando ele não brilha.
 Creio no amor, mesmo quando não o sinto.
Creio em Deus, mesmo quando Ele está calado.
" Às vezes, Deus parece tão quietinho!
Todavia, quando vemos o modo como trabalha nas vidas aprisionadas por paredes ou circunstâncias, quando ouvimos contar como a fé brilha em meio à incerteza, começamos a vislumbrar o fruto da paciência que pode crescer da experiência do sofrimento.
Diz Pedro: "Pois que glória é, se sofreis com paciência, quando cometeis pecado, e sois por isso esbofeteados?
Mas se sofreis com paciência; quando fazeis o bem e por isso padeceis, isto é agradável a Deus." (I Pedro 2:20)
As pessoas sofrem algum infortúnio e pedem a Deus uma explicação à luz de Suas muitas promessas. Muitas vezes, citam um de meus versículos prediletos, Romanos 8:28: "Sabemos que aos que amam a Deus todas as coisas lhes cooperam para o bem, a saber, aos que são chamados segundo o seu propósito.
Os cristãos perguntarão: "Como isso poderá funcionar para o meu  bem?
 Somente Deus poderá fazer com que funcione para o bem, e Ele não pode fazê-lo a não ser que cooperemos com Ele. Em
todas as nossas preces, devemos pedir-Lhe que se faça a Sua vontade.
Ouvi a história de um homem que morava perto da minha casa e que ia comprar uma vaca. Era cristão e, ao passar por alguns colegas cristãos no caminho, contou-lhes que estava indo comprar uma vaca de um vizinho, que morava a um quilômetro e meio de distância.
Os seus amigos cristãos sugeriram para que dissesse: "Vou comprar uma vaca, se Deus quiser." Ele retrucou: Não, estou com o dinheiro no bolso e vou comprar uma vaca.
Dali a uma hora, ele voltou pela mesma estrada, ferido, ensanguentado, as roupas rasgadas. Fora atacado por uns ladrões que sabiam que estava com dinheiro no bolso. Os amigos perguntaram:
E aonde você vai agora?
Vou para casa, se Deus quiser.
Com o seu sofrimento, o homem recebeu uma grande lição, que todos nós devemos aprender.
Deus está no controle dos acontecimentos, e temos que ser submissos e pacientes à Sua vontade.
Diariamente, recebo em casa vários jornais.
Lendo-os, ou assistindo ao noticiário na televisão, tomo conhecimento de sofrimentos terríveis, do terrorismo, do crime e da injustiça que existem em nosso mundo, e às vezes não posso deixar de me perguntar: "Por quê?" À medida que as nações do mundo estão se armando como nunca antes na História, à medida que se aproxima o Armagedom, é um pensamento reconfortante saber que Deus está por detrás de tudo o que toca a minha vida.
 Acontecem-me coisas que não consigo entender, mas jamais duvido do amor de Deus. Na hora da provação, talvez eu não possa enxergar o Seu desígnio, mas tenho fé de que esteja alinhado com o Seu propósito de amor.
Não sei quais os Seus planos, mas sei que Ele sabe, e isso para mim basta. Elie Wiesel, um dos escritores judeus mais conhecidos, esteve em Auschwitz, e escreveu: "O céu é o lugar onde perguntas e respostas se tornam uma só coisa."
minha mulher, escreveu certa vez:
Deposito meus "porquês"
aos pés da Tua Cruz,
adorando de joelhos,
minha mente atordoada
demais para pensar,
meu coração incapaz de sentir.
E, adorando,
percebo que, conhecendo-Te,
não preciso de "porquê".
A nossa herança pode ser a das promessas não cumpridas.
Fomos abençoados através da capacidade de suportar a dor e da fidelidade daqueles que sofreram no passado; e as pessoas à nossa volta, ou aqueles que virão depois de nós, podem ser abençoados por nossas provações e sofrimentos, e pela maneira como reagimos a eles.
 Porém, só saberemos a resposta total quando chegarmos ao céu.
 Jesus falou: "Naquele dia nada me perguntareis." (João 16:23) Quando olharmos para trás e virmos todos os fatores envolvidos, diremos que tudo estava planejado.

                                  O SOFRIMENTO PREVISTO

Tereis tribulações neste mundo. Mas, coragem! Eu venci o mundo.
                              JESUS CRISTO (JOÃO 16:33)
EM ALGUMAS IGREJAS de hoje e em alguns programas religiosos de televisão, vemos a tentativa de tornar o cristianismo popular e agradável.
Retiramos a cruz e a substituímos por almofadas.
Como já vimos, não encontramos no Novo Testamento nenhum indício de que os cristãos devam esperar popularidade, conforto e sucesso na era atual. Jesus falou: "Se o mundo vos aborrece, sabei que primeiro do que a vós me tem aborrecido a mim.
Se vós fôsseis do mundo, o mundo amaria o que era seu; mas como não sois do mundo, antes vos escolhi eu do mundo, por isso é que o mundo vos aborrece.
 Lembrai-vos das palavras. que eu vos disse: 'O servo não é maior do que o seu senhor.' Se me perseguiram a mim, também vos hão de perseguir a vós; se guardaram as minhas palavras, também hão de guardar as vossas." (João 15:18-20) Assim, Cristo falou que o mundo dominado pelo mal O odiava, e previu que nos odiaria também.
Esta era se interessa pelas medalhas, mas não pelas cicatrizes.
Podemos nos identificar com Tiago e João, que queriam assentos privilegiados no reino.
Podemos até pedir poltronas reclináveis e música suave. Porém, Cristo respondeu a Seus discípulos e falou que não estava oferecendo lugares de honra, mas sim sofrimento.
Olhe para nosso Senhor. Ele foi desprezado e rejeitado pelos homens.
Foi ridicularizado, insultado, perseguido e, finalmente, morto.
Mesmo diante da oposição, Ele continuou "fazendo o bem".
Até mesmo os Seus inimigos não puderam encontrar defeito nEle.
Tornou-se o maior mestre de moralidade que o mundo já conheceu.
Todavia, após três anos de ministério público, morreu como um pária. O mundo se voltou rapidamente contra ele, comprovando a passagem da Escritura que diz que "os homens amavam mais as trevas do que a luz; pois eram más as suas obras." (João 3:19) Um homem "bom", em geral, é uma reprimenda ao mundo.
Como já mencionei antes, a Bíblia enumera, em Hebreus 11, os heróis da fé, tanto judeus quanto gentios, que foram torturados, aprisionados, apedrejados, esquartejados, tentados, passados pelo fio da espada. Vestiam-se de pele de ovelhas e cabras, miseráveis.
Aflitos e atormentados, esses fiéis de antes vagavam por desertos e montanhas, escondiam-se em cavernas.
Era isso o que significava ser membro do povo de Deus.
 Ao assistirmos aos especiais de televisão que focalizam histórias da Bíblia, no conforto de nossas salas, em países como os Estados Unidos e o Brasil, ficamos agradecidos por ser mais fácil e aceitável ser cristão hoje.
Mas isso mudará. Em países como o nosso, estamos vivendo um período anormal.
É muito mais normal para os cristãos serem repreendidos, criticados e perseguidos do que serem populares.
 Grandes multidões acompanharam nosso Senhor na parte inicial de seu ministério, quando curou os doentes, ressuscitou os mortos e alimentou os famintos. Todavia, no momento em que começou a falar da cruz e da necessidade de Sua morte, e a dizer a Seus seguidores que também deviam assumir as suas cruzes, "muitos... não andaram mais com ele." (João 6:66) Quando Ele declarou, com todas as letras, o quanto custaria ser discípulo, afastou muitos de Seus seguidores.
Em muitas partes do mundo, ser um verdadeiro crente ainda significa sofrimento. Você pode ser alijado de sua família, de seu lar e seus amigos. Pode transformar-se em "espetáculo" para os outros.
O sofrimento tem muitas formas. Você pode ser como o cego de João 9, sofrendo involuntariamente e sem saber pela glória máxima de Deus. Muitas formas de sofrimento estão na Bíblia. Segue-se uma lista.

1.      Perseguições pela integridade (Mat. 5:10; 13:21; Mar. 10:30; João 15:20)
2.      Injúrias e calúnias (Mat. 5:11-12; 10:25; Atos 13:45; I Ped. 4:4)
3.      Acusações falsas (Mat. 10:17-20)
4.      Flagelos por Cristo (Mat. 10-17)
5.      Rejeição pelos homens (Mat. 10-14)
6.      Ódio pelo mundo (Mat. 10:22; João 15:18-21)
7.      Ódio por parentes (Mat. 10:21-36)
8.      Martírios (Mat. 10:28; Atos 7:58)
9.      Tentações (Lucas 8:13; Tiago 1:2-16)
10.    Vergonha por Seu nome (Atos 5:41)
11.    Prisão (Atos 4:3; 5:18; 12:4)
12.    Tribulações (Atos 14:22; II Tess. 1:4)
13.    Apedrejamentos (Atos 14:19; II Cor. 11:25)
14.    Espancamentos (Atos 16:23; II Cor. 11:24-25)
15.    Ser um espetáculo para os homens (I Cor. 4:9)

A palavra espetáculo vem da mesma palavra grega de onde tiramos a palavra teatro, demonstrando para homens e anjos o sofrimento de Cristo como se estivéssemos no palco. Somos idiotas pelo amor de Cristo. (l Coríntios 4:10) A palavra idiota vem de uma palavra grega que traz consigo a idéia de debilidade mental. Também se refere às vaias, apupos, deboche e outros insultos lançados àqueles que estão no palco da arena.
16.    Mal-entendidos, necessidades, difamações e desprezos. (l Cor. 4:10-13)
17.    Problemas, aflições, tristezas, tumultos, trabalhos, vigílias, e má reputação (II Cor. 6:8-10; 11:26-28)
18.    Reprimendas (Heb. 13:13; 1 Ped. 4:14)
19.    Provações (Ped. 1:7; 4:12)
20.    Oposição satânica (Efés. 4:27; 6:12).

Porém, a Bíblia também ensina que haverá enormes recompensas para aqueles que suportam o sofrimento em nome de Cristo.
TEM CONTINUAÇÃO.
                                        FACEBOOK DO EDITOR...

                     http://facebook.com/JOSEGERALDODEALMEIDA

segunda-feira, 14 de julho de 2014

UM PLANO DE SALVAÇÃO...P/10..14/07/2014

               

              
         Deus Usa o Sofrimento e as Provações Para nos Disciplinar

Quatro, Deus usa o sofrimento e as provações para nos disciplinar. Jesus disse, em Apocalipse 3:19: "A quantos eu amo repreendo e castigo." Nossa vida cristã, para nos tornarmos aquilo que Deus quer que sejamos, tem que ser de fé e sofrimento. Deus tem o Seu plano divino para moldar nossas vidas e esse plano muitas vezes inclui o sofrimento. O fogo do castigo purifica nossas vidas e aprofunda nosso espírito. Se o Salvador alcançou "a perfeição pelos sofrimentos" (Hebreus 2:10), como podemos esperar fugir? Você já pensou que o aço é ferro mais fogo, que o solo é rocha mais a força da corrosão do tempo e que o linho é fibra mais o pente que separa e o mangual que soca e o tear que tece? Quando falo em sofrimento, que inclui todos os elementos de dor e angústia conhecidos do homem, não apenas dor física, não sou diferente de vocês. Gostaria de levar uma vida livre de problemas, livre de dores, livre de severa disciplina pessoal, mas tive tantas pressões na minha vida que houve horas em que também tive vontade de "sumir" ou estive tentado a pedir ao Senhor que me levasse para o céu. "Vocês querem saber como me comporto quando sinto dor, não apenas quando estou escrevendo a respeito. Pois não precisam adivinhar, eu mesmo vou contar: sou um grande covarde... Mas, de que vale falar-lhes de meus sentimentos? Vocês já os conhecem, pois são os mesmos que os seus. Não estou discutindo que a dor não seja dolorosa. A dor dói. Se Deus nos ama tanto, por que permite coisas como o câncer, tumores, ou inúmeras moléstias e doenças? Enquanto escrevia este capítulo, soube que a mulher de um amigo meu esta com um tumor maligno no cérebro. Soube também que a mulher de um de meus amigos mais queridos, um conhecido evangelista, está com câncer. Muitas vezes somos tentados a perguntar: por quê? Recentemente, ouvi falar de bandidos que estupraram uma missionária, depois de matarem seu marido no jardim de sua casa. Ela ficou dois dias trancada na casa com as crianças, temendo a volta dos bandidos. Só então teve coragem de ir lá fora para enterrar o marido. Quando minha mulher ouviu esta história, ficou profundamente perturbada durante três dias. Estudou a Santa Escritura. Perguntou a si mesma: "Senhor, onde estavam as promessas?" Então, chegou a Hebreus 11, onde há uma lista de grandes heróis da fé. Muitos deles foram gloriosa e maravilhosamente salvos por causa de sua fé. Havia pessoas "que pela fé venceram reinos, praticaram justiça, alcançaram as promessas, taparam as bocas dos leões, extinguiram a violência do fogo, evitaram o fio da espada, de fracos tornaram-se fortes, fizeram-se poderosos na guerra, puseram em fuga os exércitos estrangeiros. As mulheres receberam pela ressurreição os seus mortos." (Hebreus 11:33-35) Mas espere. Será que todos aqueles fiéis de antes escaparam às provações? Não. No meio do 35º versículo, ocorre uma mudança dramática e drástica. Diz ele: "Uns foram torturados, não aceitando o seu livramento para melhor ressurreição, e outros experimentaram escárnios, açoites e ainda grilhões e prisão; eles foram apedrejados, provados, serrados pelo meio, mortos ao fio da espada; eles andaram errantes, vestidos de peles de ovelhas e cabras, necessitados, aflitos, maltratados, uns homens (de quem o mundo não era digno) errantes nos desertos, nos montes, nas covas e nas cavernas da terra." (vv. 35.38, o grifo é meu) Alguns foram salvos, outros não foram salvos, segundo a "vontade e o plano de Deus". Temos aqui a Sociedade Divina da "Medalha de Ouro". Por que esses outros não foram salvos? Os dois últimos versículos de Hebreus explicam: "Todos estes, tendo alcançado bom testemunho pela sua fé, contudo não alcançaram a promessa, tendo Deus provido alguma coisa melhor no tocante a nós, para que eles, sem nós, não fossem aperfeiçoados (ou seja, antes que pudéssemos nos reunir a eles)." (vv. 39,40) Em outras palavras, a Escritura diz que Deus tem algo melhor para eles. A Santa Escritura indica que as recompensas deles poderão até ser maiores na vida futura, pois, na época em que sofreram, ainda não havia nenhuma promessa para recompensá-los. Acreditaram e confiaram mesmo sem terem sido salvos. Temos que nos dar conta de que, quando Deus permite que tais coisas aconteçam, existe um motivo que acabara sendo do conhecimento do indivíduo mais provavelmente só quando formos para o céu.
                                    
                                 Vantagem da Disciplina

Há uma vantagem a se tirar da disciplina. Como já vimos, Jó passou por todos os testes que Satanás pôde inventar, com a permissão de Deus. Como resultado, Jó saiu da prova de fogo "como o ouro", sem nenhuma impureza, apenas com o que havia de mais puro no metal. Pode ser difícil entender por que precisamos nos testar, mas não podemos esquecer que o teste vai nos refinar e purificar. O apóstolo Pedro explica a seus leitores o motivo para suas provações e perseguições: "Para que a prova de vossa fé, mais preciosa que o ouro que perece, mesmo quando provado pelo fogo, seja achada para louvor, glória e honra na revelação de Jesus Cristo." (l Pedro 1:7) Podemos tirar vantagem da experiência do sofrimento, suportando-o pacientemente e aprendendo com ele, ao invés de lutar contra ele. Foi isso o que Jó concluiu: "Se Ele me provasse, sairia eu como o ouro." (Jó 23:10) Isso é reagir positivamente ao teste, tirando vantagem dele, ao invés de se lamentar pela interferência no seu cotidiano. Algumas das flores mais belas que já vi eram artificiais, feitas de seda, plástico ou cera. No entanto, elas nunca atraem os insetos. São as flores vivas que os atraem. Os cristãos automaticamente atraem demônios, que estão constantemente importunando, perturbando, tentando destruir. Porém, Deus também usa isso com um propósito. As provações que muitas vezes surgem na vida de um cristão são a concretização do gracioso propósito de Deus, que busca criar Seu filho na fé mais preciosa, desenvolvendo no Seu ente amado o espírito cristão que leva à alegria e ao "ouro". "Os que sofrem fisicamente, se orientados corretamente com Deus, aprendem que os outros deixam escapar. Chegam a uma avaliação mais precisa daquilo que realmente vale na vida, disciplinando seus espíritos, purificando seus motivos, aprofundando adoçando seus caracteres." Você já olhou para um quadro de valor inestimável e se perguntou o que lhe dava este valor? Olhando para um Rembrandt, dou-me conta de que ele usava tela e tintas como outro artista qualquer e, no entanto, seus quadros são obras de arte valiosíssimas. A diferença está no próprio artista. Deus é o artista de nossas vidas, usando o Seu pincel para criar uma coisa bela. Porém, nossa tela está incompleta. Deus ainda não acabou conosco. "Dizem que uma barra de aço que vale cinco dólares ao ser transformada em ferraduras comuns valerá apenas dez. Se esta mesma barra de cinco dólares for transformada em agulhas, passará a valer 350 dólares, mas, se for transformada em molas delicadas para relógios caros, estará valendo 250 mil dólares. Esta barra de aço original fica mais valiosa à medida que for sendo trabalhada, levada ao fogo repetidas vezes, martelada e manipulada, batida e socada, acabada e polida, até que finalmente está pronta para sua tarefa delicada." Nos dias atuais de inflação, o preço seria bem maior Todavia, isso ilustra a verdade de que a disciplina e o castigo de Deus forjam o caráter cristão; e este é um dos motivos pelos quais não estamos isentos dos problemas e dificuldades da vida. Muitos cristãos, quando são disciplinados por Deus, recaem na autocompaixão e na amargura. Vêem suas vidas soterradas sob os escombros da depressão, mas nossas dificuldades devem ser encaradas como degraus.
                              
                 A escolha é nossa! O poder é de Deus!
                             
                Para nos Manter Humildes e de Joelhos

Deus permite que o fogo da tribulação entre em nossas vidas para nos tornar, e manter, humildes. Ele podia ter livrado Paulo daquele "espinho na carne", mas recusou todos os pedidos de alívio de Paulo, e prometeu-lhe, ao invés disso, a Sua graça. Deus também não isenta os cristãos de sofrimento porque ele aumenta a sua vida de oração. Nada nos porá de joelhos mais depressa do que os problemas. Às vezes, em nossas orações perguntamos por que a resposta tarda, dando a impressão de que nunca vai chegar. Muitos dos sofredores de Deus oram pedindo alívio, mas a resposta de Deus parece ser "não". A cura pode não chegar, mas Deus atende às nossas preces. Nem sempre as atende da forma que queremos. Podemos não ter orado segundo a vontade de Deus. No Jardim de Getsêmani, na perspectiva da Cruz, Ele orou: "Pai, se é do teu agrado, afasta de mim este cálice." (Lucas 22:42, o grifo é meu) Nossas preces precisam estar de acordo com a vontade de Deus pelo simples motivo de que Deus conhece melhor do que nós mesmos o que é bom para nós.  Sem a experiência do sofrimento ou de algum tipo de aflição, jamais seríamos os guerreiros da oração que devemos ser. Nossa natureza tende a negligenciar a necessidade da oração até encontrarmos sofrimento ou dificuldades de qualquer tipo. Freqüentemente, precisamos ser levados à verdadeira oração pelas circunstâncias que nos cercam. Dwight L. Moody gostava de ressaltar que existem três tipos de fé em Jesus Cristo: a fé que luta, que é como um homem apavorado se debatendo em águas profundas; a fé que se agarra, que é como um homem segurando com força o lado de um bote; e a fé que repousa, que é como um homem a salvo dentro do bote forte e seguro o bastante para estender a mão e ajudar outra pessoa. Este é o tipo de fé que você e eu temos que adquirir para sermos eficazes como cristãos e tal fé pode ser nossa através do ministério do sofrimento em nossas vidas. George Matheson, que percebeu que estava ficando cego aos dezoito anos, superou a sua deficiência e se tornou um dos melhores estudiosos e pregadores da Igreja Escocesa. Escreveu ele: "Tu, Ó Senhor, podes transformar o meu espinho numa flor. E eu quero o meu espinho transformado numa flor. Jó mereceu o sol depois da chuva, mas será que a chuva fora um desperdício total? Jó quer saber, e eu quero saber, se a chuva nada teve a ver com o brilho do sol. E Tu me podes dizer. Tua cruz me pode dizer. Tu coroaste o Teu triunfo. Que seja esta a minha coroa, ó Senhor. Somente triunfo em Ti quando já aprendi a auréola da chuva."
TEM CONTINUAÇÃO.
                                        FACEBOOK DO EDITOR...

                     http://facebook.com/JOSEGERALDODEALMEIDA

sexta-feira, 11 de julho de 2014

UM PLANO DE SALVAÇÃO...P/09..11/07/2014



 O autor da Epístola aos Hebreus também exorta seus leitores, que estavam sendo perseguidos por sua fé, a recordar o exemplo de sofrimento de Cristo. Escreve ele: "Fixemos nossos olhos em Jesus, o autor e aperfeiçoador de nossa fé, que, em troca da alegria que lhe estava sendo proposta, suportou a cruz e sua ignomínia e está sentado à direita do trono de Deus." Depois, acrescenta: "Considerai, pois, aquele que suportou tanta oposição dos pecadores, para que não vos canseis nem desanimeis." (Hebreus 12:23) Sim, considere-o. Nos nossos padecimentos e tribulações, o próprio Jesus deve ser a nossa principal consideração. Devemos fixar os olhos nEle. Ele, que sofreu por nós, mostra-nos como devemos suportar nossos sofrimentos. Os homens e mulheres fizeram da cruz, levianamente, uma jóia, um objeto de adorno, mas, para Deus, ela foi o supremo sacrifício que teve que fazer por causa da desobediência do homem. Assim como o sofrimento entrou no mundo por causa da desobediência de um homem (Adão), também o alívio desse sofrimento veio através da obediência de um Homem (Cristo). Como escreveu Paulo, em Romanos 5:19: "Assim como pela desobediência de um só homem foram todos constituídos pecadores, assim também pela obediência de um só todos serão constituídos justos." O poder do pecado foi rompido pelo sacrifício de Cristo no Calvário, e completamente derrotado por Sua ressurreição vitoriosa na manhã de domingo que, hoje, chamamos de Páscoa.
É por isso que podemos cantar junto com o autor do hino:
Na cruz de Cristo eu me glorifico!
               
           POR QUE OS CRISTÃOS NÃO ESTÃO ISENTOS?

A TENDÊNCIA DOS HOMENS é se perguntar por que a pessoa que ama Deus e tenta viver uma vida cristã exemplar tem que sofrer física, psicologicamente ou de outra forma qualquer durante a sua passagem pela terra. Desde o princípio o sofrimento dos crentes vem confundindo judeus e cristãos. Jó é o exemplo clássico de um crente sofredor. Houve um motivo extremamente importante para o seu sofrimento. Mas Jó não sabia disso, enquanto passava por sua provação. Jó nem ao menos tinha o Livro de Jó para confortá-lo, como nós temos! Daniel foi posto no covil do leão; Sadraque, Mesaque e Abede-Nego foram amarrados e lançados numa fornalha; José foi aprisionado; Moisés teve que fugir do Egito e viver longe de tudo o que conhecia há quarenta anos. O motivo para todas essas coisas não era conhecido na época. Tinha que ser visto em retrospecto. Nenhum de nós saberá o motivo total do sofrimento dos fiéis antes de chegarmos ao céu. Se os crentes que nos antecederam não foram isentos, por que nós o seríamos?
                                  
                                   Porta-Vozes de Deus

O apóstolo Pedro escreveu muito sobre os cristãos sofredores. Sabia, assim como a maioria dos primeiros seguidores de Jesus, o que era sofrer por uma fé. A tradição nos conta que ele morreu pendurado de cabeça para baixo numa cruz romana, porque não se achava digno de morrer da mesma forma que seu mestre. Pedro sofreu de muitas outras formas, tanto físicas quanto mentais, durante o seu percurso com o Senhor, mas em todos os seus escritos o valor positivo do sofrimento é enfatizado. Ao desenvolver este assunto, faz eco às palavras do Salvador registradas no Evangelho, e dos outros discípulos. Como deve ter sofrido Maria, a mais abençoada das mulheres, e mãe de Jesus? Imagine os insultos dos amigos que achavam que ela era imoral. Ou, anos depois, os seus padecimentos durante a humilhação de Jesus, culminando na cruz. Junto ao pé da cruz, viu o Filho morrer de uma das maneiras mais dolorosas e vergonhosas que o homem jamais inventou. Aos olhos do povo ao seu redor, Ele era um criminoso comum. Ouviu as vaias. Viu o soldado enfiar a lança em Seu flanco. No entanto, ela acreditou em Deus. Não podia esquecer a visita do anjo que lhe dissera: "Salve! altamente favorecida, o Senhor é contigo... Não temas, Maria; pois achaste graça diante de Deus. Conceberás no teu ventre, e darás à luz um filho, a quem chamarás Jesus. Este será grande e será chamado Filho do Altíssimo; o Senhor Deus lhe dará o trono de seu pai Davi, e ele reinará eternamente sobre a casa de Jacó, e o seu reino não terá fim." (Lucas 1:28-33) Ao testemunhar a tragédia aparente da crucificação, Maria deve ter-se perguntado: "Será que me enganei? Tive uma falsa visão? É verdade que Ele é o Rei que reinará para sempre?" Sendo humana, ela deve ter questionado o passado à luz do sofrimento incrível do presente por parte de quem tanto amava. Na época, ela era incapaz de perceber inteiramente que esta era a realização da profecia. Para que a raça humana tivesse alguma possibilidade de reconciliação com Deus, o Filho dela tinha que morrer exatamente daquela forma. como haviam previsto os profetas.
                      
                Os Cristãos Sofrem Porque São Humanos

Podemos enxergar, aqui e ali, na Santa Escritura, o porquê dos fiéis não estarem isentos do sofrimento. Vemos também alguns motivos bem definidos. Primeiro, os cristãos sofrem porque são humanos. O fato de sermos cristãos não quer dizer que estejamos isentos de doenças, padecimentos, desastres naturais, tragédias, e, por fim, da morte. Naturalmente, ouvimos falar de cristãos que foram milagrosamente salvos ou curados. Da mesma forma, ouvimos falar de outros que passam pelo fogo dos padecimentos, como, por exemplo, o "espinho na carne" de Paulo. Porém, nem tudo é mistério. Ouvimos o Senhor dizer a Paulo: "Existe um motivo para este espinho na carne. É para não seres exaltado além da conta. Mas verás que Minha graça é suficiente para permitir que tu o suportes." Alguns anos atrás, realizei um serviço fúnebre em memória daqueles que tinham morrido de um desastre. Cristãos morreram e foram feridos, do mesmo modo que os  não cristãos. Dessa forma, os cristãos não estão isentos de desastres problemas e doenças. Tais coisas são imanentes à humanidade e estamos envolvidos nelas porque partilhamos da experiência humana, assim como Cristo o fez.
                
            Muitas Vezes os Cristãos Sofrem Porque Merecem

Segundo, os cristãos não estão isentos do sofrimento quando pecam e desobedecem a Deus. Se um cristão conta uma mentira, perde a paciência ou comete algum tipo de pecado, ele sofrerá o castigo ou "juízo" de Deus (ver I Cor. 11:28-32 e Pedro 4:17-19). Assim como uma criança necessita ser corrigida, os filhos de Deus precisam ser corrigidos. A Santa Escritura diz: "Filho meu, não menosprezes a correção do Senhor, nem te desanimes, quando por ele és repreendido; pois o Senhor castiga ao que ama, e açoita a todo filho que recebe. É para a disciplina que sofreis (Deus vos trata como a filhos); pois qual o filho a quem não corrige seu pai? (...) Toda correção ao presente, na verdade, não parece ser de gozo, mas de tristeza; depois, porém, dá fruto pacífico de justiça aos que por ela têm sido exercitados." (Hebreus 12:5-11) Se, através do descuido e da indiferença, nós ignoramos as leis do trânsito, merecemos ser presos e punidos como qualquer um. Se não formos amorosos e fiéis na nossa vida cristã, pagaremos por isso com uma consciência culpada ou castigo de Deus. Um cristão tem responsabilidades tremendas para com a sua família. Ele ou ela tem responsabilidades de amar a cada membro da família. Maridos e mulheres devem amar-se e submeter-se um ao outro. Devemos treinar nossos filhos no caminho que devem seguir. Se negligenciarmos tais responsabilidades, sofreremos as conseqüências talvez não imediatamente, porém mais tarde. Conheço um líder cristão. Há anos que trata mal a mulher, o que terminou fazendo com que ela chegasse a um estado de esgotamento físico e mental completo. Agora está enamorado de sua secretária. Quer continuar sendo um líder cristão na comunidade, mas dois proveitos não cabem num saco só. Está travando uma batalha terrível dentro da própria alma. O sorriso deixou-lhe o rosto, a alegria deixou-lhe o coração. A sua situação agora é tão evidente que outros cristãos, conhecendo as circunstâncias, não apenas estão orando por ele, mas, infelizmente, também  estão revelando o seu pecado. O sofrimento dele é quase insuportável tudo por causa do seu pecado mas, até agora, ainda não se arrependeu.
            
             Não Existe Abrigo Contra a Precipitação Radioativa

Não existe um "abrigo contra a precipitação  radioativa" cristão. Os cristãos não estão isentos do sofrimento porque, se estivessem, os não-cristãos viriam correndo para a porta da igreja como se ela fosse um abrigo contra a precipitação radioativa. Infelizmente, nos últimos anos, vimos pessoas que abraçaram o cristianismo, especialmente nos Estados Unidos, e no Brasil porque parecia ser a única coisa inteligente a fazer. A popularidade do cristianismo cresceu nos Estados Unidos e no Brasil e em outros países, nos últimos anos. Muitos não-cristãos acham que, por motivos comerciais ou políticos, deviam pertencer à igreja e fazer uma profissão de fé que não está de acordo com a vida que levam. Conseqüentemente, a igreja na América está profundamente infiltrada pelo "mundo", e, dessa forma, está começando a assemelhar-se ao mundo em muitas de suas atividades. Assim como na época de Cristo, existem hipócritas na igreja até mesmo no púlpito ou lecionando em escolas e seminários protestantes. Jesus disse: "Ai de vós (...) hipócritas! porque fechais a porta do reino dos céus; pois nem vós entrais, nem deixais entrar os que estão entrando." (Mateus 23:13) Muitos cristãos que professam Cristo não vivem como se O possuíssem. Todavia, como podemos estar próximos dos acontecimentos que levam aos "últimos dias", o verdadeiro e o falso começarão a se separar. Quando o sofrimento e a perseguição caírem sobre nós, haverá uma diferença. Sem dúvida, quando todos  estivermos frente ao trono de julgamento de Cristo, os nossos verdadeiros motivos serão revelados.
TEM CONTINUAÇÃO.
                                        FACEBOOK DO EDITOR...

                     http://facebook.com/JOSEGERALDODEALMEIDA

segunda-feira, 7 de julho de 2014

PROJETO NOVA ERA-P/03





               PROJETO NOVA ERA-P/03

Vemos testes deste dispositivo no rapto de seres humanos por esses pequenos misteriosos greys estrangeiros que arrancam as pessoas de suas camas e através das janelas e ficam em navios esperando a “mãe”. Haverá resistência calculada para a religião universal, o novo messias e as guerras santas, daí vai resultar na perda de vida humana em uma escala nunca antes imaginada em toda a história humana.

The Blue Beam Project vai fingir ser o cumprimento universal das profecias (arrebatamento, vinda do messias), como um evento importante como a que ocorreu há 2.000 anos. Em princípio, ele vai fazer uso dos céus como uma tela de cinema (na camada de sódio em cerca de 60 milhas), baseados no espaço satélites geradores de lasers para projetar imagens simultâneas dos quatro cantos do planeta em todas as línguas e dialetos de acordo com a região. Ele lida com o aspecto religioso da nova ordem mundial e é o engano e sedução em uma escala maciça.Os computadores vão coordenar os satélites e software já existentes, eles irão executar o show do céu. Imagens holográficas são baseados em sinais quase idênticos combinados para produzir uma imagem ou um holograma com uma perspectiva profunda, que é igualmente aplicável a acústica ELF, VLF e LF ondas e os fenômenos ópticos.
ANTENA Conheça o Projeto Blue Beam, seria este o Apocalipse Holográfico?
Nota: Será um show de som e imagens, o som será gerado pelo HAARP por ondas, direto no cerebro humano. Especificamente, o show será composto por várias imagens holográficas para diferentes partes do mundo, cada um recebendo uma imagem diferente de acordo com a religião específica, nacional, regional. Nem uma única área serão excluídas.

Com animação computadorizada e sons que parecem emanar das profundezas do espaço, atônito fervorosos seguidores dos credos diferentes irá testemunhar seus próprios messias voltou na realidade realista convincente. Em seguida, as projeções de Jesus, Maomé, Buda, Krishna, etc, vai fundir-se um após as devidas explicações dos mistérios e revelações terão sido divulgados.
Este será um deus, de fato, ser o anticristo, que irá explicar que as escrituras diversas têm sido mal compreendida e mal interpretada, e que as religiões de idade são responsáveis pela transformação de irmão contra irmão, nação contra nação, portanto, velhos religiões devem ser abolidas para abrir caminho para a nova religião do mundo new age, que representa o Anticristo um deus que vê à sua frente.
Naturalmente, esta falsificação soberbamente encenado resultará em dissolvido desordem social e religiosa em grande escala, cada nação culpando o outro para o engano, a configuração milhões soltas de fanáticos religiosos programados através de possessão demoníaca em uma escala nunca antes testemunhado.
Além disso, este evento ocorrerá em um momento de profunda anarquia em todo o mundo político e tumulto geral, criado por alguma catástrofe mundial. As Nações Unidas até agora pretende usar Beethovan’s Song “da Alegria” como hino de introdução para a nova era uma religião do mundo.

A terceira etapa do Projeto Blue Beam da NASA é chamado de Electronic Telepathic Comunicação de duas vias. Artigo Tenente-Coronel Alexandre continua: “Se é possível alimentar o pensamento artificial no campo multigênica via satélite, o controle da mente de todo o planeta é agora possível. Resistência somente um indivíduo seria a de questionar constantemente a motivação por trás de seus pensamentos e não agir de acordo com os pensamentos que eles consideram ser fora de suas próprias fronteiras ideológicas, religiosas e morais. ”
Mais uma vez, é prudente considerar a forma como a televisão, a publicidade, a educação moderna e vários tipos de pressões sociais são usados para manipular esses limites.

Foi relatado pelo tenente-coronel Alexander disse que, no resumo de seu artigo Military Review, ‘As informações sobre esses tipos de tecnologias apresentadas aqui seria considerada por alguns a ser ridículo, uma vez que não se conforma com a sua visão da realidade. Mas algumas pessoas ainda acreditam que o mundo é plano “.

Agora, isso significa muito, porque se as pessoas não acreditam que este tipo de tecnologia é possível, ou que é ficção científica, as pessoas se colocam em grande perigo, pois na noite em que as mil estrelas vão brilhar a partir do espaço, durante o noite, quando o novo messias, será apresentado ao mundo, eles não vão estar preparados e não terá tempo para se preparar para salvar-se contra esse tipo de tecnologia. Eles não acreditam e não terá tempo para se preparar.Este é exatamente o que acontece com as pessoas que estão convencidos por Satanás a crer que ele não existe, então eles não têm defesa contra ele. .

UM PLANO DE SALVAÇÃO...P/08..07/07/2014

               

Certa vez, uma mãe salvou a sua filhinha de uma casa em chamas, mas sofreu queimaduras graves nas mãos e braços. Quando a menina cresceu, sem saber como os braços da mãe tinham ficado daquele jeito, sentia vergonha das mãos marcadas e cheias de cicatrizes e insistia para que a mãe usasse sempre luvas compridas para cobrir aquele fealdade. Porém, certo dia, a filha perguntou à mãe como seus braços tinham ficado tão marcados. Pela primeira vez, a mãe contou-lhe a história de como lhe salvara a vida com aquelas mãos. A filha derramou lágrimas de gratidão e disse: Ah, mamãe, que mãos lindas, as mais lindas do mundo. Não as esconda nunca mais! O sangue de Cristo pode parecer um tópico sombrio e repulsivo para os que não se dão conta de sua verdadeira importância, mas, para os que aceitaram a Sua redenção e foram libertados da escravidão do pecado, o sangue de Cristo é precioso. O escravo liberto jamais se esquece do alto preço da sua liberdade. Já viu alguém recebendo transfusão de sangue? O sangue era precioso, vital e, sem dúvida, não era repulsivo. O sangue de Cristo comprou a igreja ou seja, toda a companhia daqueles que confiam nEle para a salvação. "Cristo amou a igreja e por ela se entregou a si mesmo." (Efésios 5:25) Quando Cristo nos comprou, fez de nós um povo marcado. Sobre cada coração que abraça o sangue de Cristo, Deus coloca uma marca invisível como símbolo de sua redenção. Já carimbaram a mão para entrar num parque de diversões ou num evento esportivo? A marca em si não aparece, exceto quando se joga nela um determinado tipo de luz. A luz de Deus, da mesma forma, brilha sobre nossos corações para determinar quem faz parte da verdadeira igreja de Cristo. Independentemente de cor, raça ou nacionalidade, aqueles que são marcados com o sangue são distinguidos como aqueles que confiaram em Cristo, e só nEle, para a sua salvação. Deus, hoje em dia, é o mesmo que era antigamente. Quando os israelitas sofriam cruelmente como escravos no Egito, Deus libertou-os de sua escravidão. Na véspera da libertação, todo chefe de família israelita teve ordem de matar um cordeiro e aspergir o batente da porta com o seu sangue. Este era o sinal para que os anjos da destruição respeitassem a casa. Deus falou: "Quando eu vir o sangue, passarei por vós, não haverá entre vós praga para vos destruir, quando eu ferir a terra do Egito." (Êxodo 12:13) Conta a lenda que, na noite do êxodo, um garoto judeu, primogênito de uma família, estava tão preocupado, no seu leito de enfermo, que não conseguia dormir. Pai perguntou, ansioso , tem certeza de que o sangue está lá? O pai respondeu que ordenara que ele fosse aspergido no lintel. Mas o garoto só ficou satisfeito quando o pai o tomou nos braços e o levou até a porta para ver com seus próprios olhos. Mas o sangue não estava lá! A ordem não fora cumprida! Antes da meia-noite, o pai se apressou a botar na porta o símbolo sagrado da proteção. O sangue do cordeiro aplicado sobre o batente da porta, na noite da libertação de Israel do Egito, distinguiu os obedientes dos desobedientes. Assim como hoje em dia o sangue aplicado do Cordeiro de Deus é a marca diferenciada dos evocados por Deus, a igreja. Charles Haddon Spurgeon comentou sobre Êxodo 12:13: Deus "não diz quando vires o sangue" passarei por ti, "mas quando eu o vir". Quando olho para Jesus, sinto alegria e paz, mas, quando Deus olha para Jesus, é que a minha salvação está assegurada. Cristo, nosso cordeiro pascal, foi sacrificado por nós (1 Coríntios 5:7). Sofreu supremamente na cruz em nosso lugar. Da mesma forma que a morte chegou para todos os lares do Egito, naquela noite terrível, assim a morte está em toda as almas que não estiverem aspergidas pelo sangue de Cristo.

                                             Atração Universal

O sangue de Cristo foi derramado por todos. Quando Jesus serviu a última ceia para Seus discípulos, pegou o cálice de vinho e disse: "Este é o meu sangue para a nova aliança, que é derramado por muitos para o perdão dos pecados." (Mateus 26:28) Muitas das religiões do mundo têm atração para uma determinada raça ou nacionalidade. Uma religião atrai principalmente o mundo árabe. Outra atrai principalmente a mente hindu. Ainda uma outra se inclina para a filosofia oriental. Mas a mensagem da Cruz significa boas novas para toda a humanidade, para todos que a aceitarem. Ao assestar os povos de toda as raças para Cristo, clamamos como João Batista: "Eis o cordeiro de Deus, que tira o pecado do mundo!" (João 1:29) Falando de Sua crucificação, o próprio Jesus disse: "Eu, quando for levantado da terra, atrairei todos os homens para mim mesmo." (João 12:32) Por "todos os homens", Ele não queria se referir a todos os homens sem exceção, pois existem muitos que se recusam a ser atraídos por Ele. O que Ele queria dizer era todos os homens sem distinção, quer fosse de classe ou cor ou outra coisa qualquer. O Seu convite para o amor é para os judeus e os gentios, igualmente. A atração da cruz de Cristo é universal. Conheci gente de toda raça e origem que confiou nos méritos de Jesus Cristo e de Seu sangue derramado para a sua salvação. A atração da cruz alcança os antros de ópio do oriente, salvando e redimindo os homens de um inferno em vida. Toca os corações dos favelados e donos de coberturas. Penetra nas mansões da elite, onde homens e mulheres vivem no luxo, trazendo uma paz e uma alegria que o dinheiro não pode comprar. Transforma o caçador de cabeças num salvador de almas. Dá aos homens de todas as nações uma vida dinâmica e cheia de propósito. Quando um financista famoso faleceu, há alguns anos, descobriu-se que, no ano anterior à sua morte, ele fizera o seu testamento, que consistia em umas dez mil palavras e 37 cláusulas. A cláusula mais importante no seu testamento era a sua prioridade na vida. Disse ele: "Entrego a minha alma nas mãos do meu Salvador, cheio de confiança em que, tendo me redimido e lavado com o Seu precioso sangue, Ele me apresentará impecável diante do trono de meu Pai celeste. Roga a meus filhos que mantenham e defendam, diante de qualquer perigo e a todo o custo pessoal, a abençoada doutrina da completa expiação do pecado através do sangue de Jesus Cristo que foi oferecido, e tão-somente através dEle." Este homem sabia que a sua imensa fortuna era tão impotente quanto a pobreza do mendigo para lhe dar a salvação. Neste aspecto, ele era tão dependente quanto o ladrão que agonizou no Calvário, dependente da misericórdia de Deus e do sangue derramado de Cristo, assim como todos nós somos, não importa qual seja a nossa situação na vida.

                          Cristo Crucificado um Exemplo de Sofrimento

O Novo Testamento, enquanto insiste em que o verdadeiro propósito do sofrimento de Jesus foi livrar-nos de nossos pecados, também nos mostra que o sofrimento do Salvador é um modelo para que nós, como Seu povo crente, devemos suportar os nossos sofrimentos. Assim o apóstolo Pedro, ao se dirigir aos escravos cristãos, exortou-os a suportar submissamente seus padecimentos, embora nada tivessem feito de errado: "Para isto fostes chamados, porquanto também Cristo padeceu por vós, deixando-vos exemplo, para que sigais as suas pisadas. Ele não cometeu pecado, nem tampouco foi achado engano na sua boca; sendo injuriado, não injuriava, padecendo, não ameaçava, mas entregava-se àquele que julga justamente." (l Pedro 2:21-23) Cristo deixou-nos um exemplo. A palavra grega usada para exemplo é derivada da vida estudantil e refere-se a um padrão de escrita a ser copiada pelas crianças que estão aprendendo a escrever. Cristo é nosso caderno de caligrafia. Olhamos para Ele e aprendemos como se deve suportar o sofrimento. Na passagem, o apóstolo chama a atenção para quatro coisas sobre o sofrimento do Salvador. Primeiro, a Sua vida santa: "Não cometeu nenhum pecado"; segundo, Sua fala sincera: "nenhuma mentira foi encontrada em sua boca"; terceiro, Seu espírito paciente: "sendo injuriado, não injuriava, padecendo, não ameaçava"; e quarto, a Sua fé implícita: "entregava-se àquele que julga justamente."
TEM CONTINUAÇÃO.
                                        FACEBOOK DO EDITOR...

                     http://facebook.com/JOSEGERALDODEALMEIDA

sábado, 5 de julho de 2014

UM PLANO DE SALVAÇÃO...P/07..05/07/2014

                
                     UM PLANO DE SALVAÇÃO...P/07 ...05/07/2014

                                A Dicotomia do Homem e Deus

O homem moderno está em conflito com a verdade de Deus. Deus fala de uma queda e de uma condenação, e a Sua palavra-chave é "graça". O homem moderno fala da tácita bondade da alma, de suas aspirações e boa vontade natural. A palavra-chave do homem é "obras". Deus fala dos abismos em que o homem caiu e da depravação do homem natural. O homem se vangloria de sua nobreza, seus ideais e seu progresso. Deus convoca os homens a crer em Cristo ou se perder. O homem diz que basta tentar ser como Cristo. O objetivo do homem é a imitação, não a redenção. Deus diz que Cristo é o Salvador do mundo. O homem diz que Cristo é apenas um grande exemplo. Lentamente nos afastamos da verdade bíblica: "Sem derramamento de sangue não há remissão." (Hebreus 9:22) O homem moderno quer fazer da cruz um objeto sentimental, um berloque para ser usado ao redor do pescoço, um ornamento numa torre de igreja ou um emblema gravado a ouro nas nossas Bíblias. Desenvolveu-se um certo interesse romântico pela história da cruz. Porém, são o sofrimento e o sacrifício de Cristo no Calvário que simbolizam a total incapacidade do homem para salvar a si mesmo. A cruz como o símbolo supremo do sofrimento revela dois fatos básicos, que não podem ser negados: a profundidade da depravação do homem e a imensidão do amor de Deus. Não posso entender a eficácia e o poder do sangue de Cristo. Existe aí um elemento de mistério que não pode ser compreendido com nossas mentes naturais. Porém, eu sei que todos aqueles que testam o seu poder pela fé descobrem que ele pode mudar maravilhosamente a vida deles, erguê-los a um plano mais elevado de vida e trazer a satisfação e a realização que vinham buscando. O apóstolo Pedro disse que os cristãos são "eleitos segundo a presciência de Deus Pai, na santificação do Espírito, para a obediência e para a aspersão do sangue de Jesus Cristo". (l Pedro 1:2) Pedro encara as provações da fé como essencialmente produtivas na vida cristã. Para ilustrar este ponto, refere-se à prática comum de sujeitar o ouro a um calor tão intenso que a sua forma inicial é destruída. Ao remodelá-lo, contudo, as impurezas também pereceram nas chamas. Provações e dificuldades podem assaltar a vida de um crente, mas têm também a capacidade de remodelar o seu caráter e banir da sua vida as impurezas que podem prejudicar o crescimento e o serviço. Um colega meu formou-se em química, Nas suas aulas de química, ele aprendeu como os ácidos agem nas diferentes substâncias. Durante uma experiência, o professor deu à classe um pouco de ouro e mandou que o dissolvessem. Eles o deixaram a noite toda no ácido mais forte que tinham à mão. Ele não se dissolveu. Depois tentaram diversas combinações de ácido. Tudo em vão. Finalmente, disseram ao professor que achavam que o ouro não podia ser dissolvido. Ele sorriu. Eu sabia que vocês não podiam dissolver o ouro. Nenhum dos ácidos que vocês têm o afetará, mas experimentem isto aqui. Com estas palavras, entregou-lhes um recipiente com um ácido especial. Eles derramaram um pouco do seu conteúdo no tubo que continha o pedaço de ouro. E este, que tinha resistido a todos os outros ácidos, desapareceu rapidamente na água-régia. O ouro finalmente encontrara o seu senhor. No dia seguinte, na sala de aula, o professor perguntou: Sabem por que aquele ácido é chamado de "água-régia"? Sim replicaram eles. É porque ele é o senhor do ouro, uma substância que pode resistir a quase tudo que se derrame sobre ela. A seguir, o mestre falou: Rapazes, deixem que eu lhes diga que existe uma outra substância tão impenetrável quanto o ouro. Não pode ser tocada ou modificada, embora uma centena de tentativas sejam feitas com esse fim. Esta substância é o coração pecador. Provações, aflições, riquezas, honrarias, prisão ou punição não o suavizarão nem o dominarão. A educação e a cultura não o dissolverão nem o purificarão. Só existe um elemento que tem poder sobre o pecado do coração humano: o sangue de Cristo, o Salvador da alma. O sangue de Cristo é mencionado repetidas vezes no Novo Testamento. Pedro pregou sobre ele, Paulo escreveu a seu respeito e os redimidos nos céus cantam sobre ele. Num certo sentido, o Novo Testamento é o Livro do Sangue.
Em Levítico 17:11, diz a Escritura: "Porque a vida da carne está no sangue. Eu vo-lo dei sobre o altar, para fazer expiação pela vossa alma; porquanto é o sangue que faz expiação em virtude da vida." Deus ensinou a Seu povo, desde o começo, que podia ser alcançado somente pelo derramamento de sangue. O sangue é feio e repulsivo. No entanto, o sangue simboliza a privação da vida. Todos os animais sacrificados na época do Antigo Testamento eram apenas modelos e símbolos. Esperavam o dia em que o Cordeiro sacrificado no começo do mundo apareceria na pessoa de Jesus Cristo, que seria Ele mesmo morto na cruz e derramaria o Seu sangue para o perdão dos pecados. Sabemos que cerca de 400 mil americanos por ano sofrem um ataque de coração. Na realidade, não é um ataque de coração, é um ataque sanguíneo. É o sangue que coagula, não conseguindo chegar ao coração, ao cérebro, aos pulmões ou aos rins. Ou talvez seja um coágulo de sangue que escapa. Tudo tem a ver com o sangue. Sem o fluxo adequado de sangue, nós morremos. Desse modo, o sangue representa a vida. Deus falou que, como resultado de nossa rebelião e pecado, o homem deve morrer. Jesus Cristo tornou-se o nosso substituto. Sofreu a nossa morte na cruz. Cada vez que vamos à igreja e recebemos (ou vemos os outros receberem) o pão e o vinho na Comunhão, lembramo-nos do sangue que foi derramado na cruz. Quando Jesus deu o vinho a Seus discípulos na Última Ceia, Ele falou: "Este é o meu sangue, o sangue da aliança, que é derramado por muitos para remissão dos pecados." (Mateus 26:28) Aquele sangue é essencial e indispensável para a nossa salvação. Sem a marca dele sobre nós, somos indignos de vir à presença do Deus santo e justo. Nas páginas seguintes, examinaremos quatro das muitas passagens das Escrituras que revelam o que o sangue de Cristo pode fazer por nós hoje: Romanos 5:9, Hebreus 9:14, 1 Pedro 1:18,19, Mateus 26:28.

                              Inocentados da Culpa do Pecado

               Primeiro o sangue de Cristo nos justifica e salva.

"Ora muito mais, sendo agora justificados pelo seu sangue, seremos por ele salvos da ira." (Romanos 5:9) A palavra justificar vem do latim justificare, que significa considerar justo, livrar de culpa ou inocentar.
A palavra justificação quer dizer "como se você nunca tivesse pecado". Significa muito mais do que perdão. Você e eu não podemos justificar a quem nos fez mal. Podemos apenas perdoá-lo. Só Deus pode justificar. Quando Cristo foi pregado na cruz, esta era para um criminoso notório chamado Barrabás. Há muito, ele temia este dia, pois era o dia da sua execução. Porém, quando as autoridades vieram à sua cela, trouxeram-lhe boas novas. Disseram: Barrabás, és um homem de sorte. Jesus de Nazaré vai morrer no teu lugar. Temos ordens para te libertar. O criminoso foi libertado. Foi absolvido de todas as acusações. Foi salvo da morte que merecia. Este criminoso era típico da raça humana: rebelde, ímpio e sem coração. Porém, foi salvo pela morte de Cristo. Isso teria sido maravilhoso, mesmo que Barrabás tivesse sido o único a ser salvo. Mas a Bíblia diz: "Como fomos agora justificados por seu sangue, seremos salvos da ira de Deus através dEle" (Romanos 5:9)  Um velho pregador da Inglaterra, que passara a juventude nas pradarias americanas, dedicava-se ao evangelismo nas ruas de pequenas cidades e aldeias. Atraía a sua platéia contando histórias do Velho Oeste, descrevendo como os índios salvavam as suas tendas dos incêndios nas pradarias tocando fogo na grama seca junto ao povoado deles. O fogo não pode ir, explicava ele, a onde o fogo já esteve. É por isso que os chamo para a cruz de Cristo. Continuava a sua analogia explicando: A hora do juízo já aconteceu e não pode voltar de novo! Aquele que se coloca diante da Cruz é salvo para todo o sempre. Jamais poderá ser condenado, pois está onde o fogo já esteve. A pessoa salva está na zona de segurança de Deus, purificada pelo sangue de Cristo.

                       Consciências Purificadas e Vidas Modificadas

                 Segundo, o sangue de Cristo purifica as nossas consciências.

"Quanto mais, então, o sangue de Cristo, que através do Espírito eterno se ofereceu imaculado a Deus, purificará as nossas consciências de atos que levam á morte, para que possamos servir ao Deus vivo?" (Hebreus 9:14) Cada um de nós tem uma consciência que serve de juiz para cada um de nossos pensamentos, palavras e atos. Ela fala com uma voz silenciosa, acusando ou desculpando, condenando ou absolvendo. Pode ser sensível, crua, subdesenvolvida ou distorcida, dependendo do uso ou abuso que fizermos dela. A consciência humana é conspurcada pelo pecado, diz a Bíblia. Depois de uma transgressão, todos nós sentimos culpa. Conhecemos bem o tormento do coração, a auto recriminação que a consciência pode causar, o sofrimento interno que pode advir com o afastamento de Deus. O efeito do pecado pode ser apagado do corpo, mas deixa uma cicatriz permanente na consciência. Nossas consciências estão marcadas e conspurcadas pelo pecado. A consciência do homem muitas vezes fica fora do alcance de um psiquiatra. Com todas as suas técnicas psicológicas, ele não pode sondar a sua depravação e profundidade. O homem é impotente para se apartar da culpa que corrói um coração oprimido pela culpa do pecado. Porém, onde o homem falhou, Deus teve êxito. A Bíblia diz que o sangue de Cristo tem o poder de purificar a consciência das obras mortas para servir ao Deus vivo. Isto não é mera teoria. A experiência cristã a comprova. De uma consciência limpa nasce uma vida modificada. O alcoólatra consegue erguer a cabeça com nova honra, dignidade e autocontrole. A prostituta transforma-se numa esposa modesta e mãe amorosa. Quando um delinquente juvenil encontra a paz de Cristo, entrega as suas energias a serviço de Deus. Se um empresário corrupto descobre a Palavra de Deus, suas transações passam a ser honestas e integras. O sangue de Cristo limpou as suas consciências das obras mortas.

                                       Redimido Pelo Sangue

Terceiro, somos redimidos pelo sangue de Cristo. A Bíblia diz: "Sabendo vós que fostes resgatados das vossas práticas vãs, que por tradição recebestes de vossos pais, não por coisas corruptíveis, como o ouro ou a prata, mas pelo sangue precioso de Cristo, como de um cordeiro sem defeito e imaculado." (l Pedro 1: 18,19) A palavra resgatar quer dizer "comprar de volta", recuperar mediante um preço. Não apenas o primeiro homem, mas todo o homem desde então, caiu na armadilha de pecado de Satanás. Foi preciso recuperar, salvar e trazer de volta o homem. A palavra resgatado pode ser ilustrada pela posição de um escravo que foi capturado ou coagido a servir alguém que não era o seu amo legal, mas cujo amo real, decidido a recuperar o amor e os serviços do escravo, compra-o de volta mediante um alto preço. Foi isso o que Deus fez por nós. Capturada por Satanás e coagida a servi-lo, a humanidade, em sua desobediência e infidelidade, não deixou Deus desanimado nem diminuiu o amor dEle por nós. Em vez disso, na cruz, Ele pagou um preço por nossa libertação, um preço inimaginavelmente maior do que nosso valor real. Ele agiu assim porque nos amava. Fomos resgatados, recuperados, salvos, não com coisas corruptíveis como o ouro ou a prata, mas pelo sangue precioso de Cristo. (1 Pedro 1:18,19)
TEM CONTINUAÇÃO.
                                        FACEBOOK DO EDITOR...

                     http://facebook.com/JOSEGERALDODEALMEIDA