domingo, 2 de março de 2014

A PRESENÇA DE DEUS NA SUA VIDA..P/14—02/03/2014



        
                          
                   Vale mais que uma Coca-Cola.
O mover do Senhor pela terra é marcado, com freqüência, por noites e noites de purificação através do arrependimento. Se permitirmos que Deus nos conduza pelo processo de arrependimento e quebrantamento, sem impedir, resistir ou apagar Seu Espírito, então, quando o cabode, a presença substancial de Deus, vier sobre nós, teremos condições de suportá-la sem medo, pois estaremos andando na pureza de Jesus e nossa carne estará morta, coberta pelo sangue do Cordeiro. Os primeiros avivalistas do movimento pentecostal costumavam fazer algumas coisas das quais eu zombava quando jovem. Tenho uma tia que "parou de beber Coca-Cola", enquanto estava buscando a presença de Deus em sua vida. Ela gostava muito de Coca-Cola, mas orou: "Deus, se o Senhor se manifestar a mim, nunca mais beberei outra." Deus levou em consideração o seu pedido. Eu costumava rir disto quando era criança e ficava balançando uma  Coca-Cola na frente dela. "Olhe, você não quer?" Ela simplesmente sorria, e dizia: "Não, eu não quero." Aquele sorriso, me fazia sentir que ela sabia algo que eu desconhecia. Agora, desde o dia em que Deus manifestou Sua presença posso dizer: "Agora, eu a entendo, tia. Agora posso entender." Deus vale mais que todas as outras coisas com as quais nos apegamos.
                      Redescobrindo a presença de Deus
Não sei quanto a você, meu amigo, mas existe uma paixão ardente em meu coração que sussurra, dizendo-me que existe muito mais do que sei ou conheço, mais do que tudo que já tenho alcançado. Isso me faz "invejar" João, que escreveu Apocalipse, e todas as pessoas que vislumbraram o que não é deste mundo e viram coisas com as quais somente tenho sonhado. Sei que existe "mais", sei porque existem aqueles que experimentaram isto e nunca mais foram os mesmos. Minha oração é: Quero ver-Te assim como João Te viu, Meu Senhor! Em todas as leituras e estudos bíblicos que já fiz, jamais encontrei uma pessoa que realmente tenha experimentado um encontro com Deus e depois tenha se desviado ou se rebelado contra Ele. Uma vez que você experimente o Senhor em Sua glória, não há como virar as costas ou esquecê-Lo. Isto é muito mais do que simples argumentos, teorias ou doutrinas, é experiência. É por causa disto que o apóstolo Paulo disse: "...sei em quem tenho crido..." (2 Timóteo 1.12b). Infelizmente, muitas pessoas na Igreja diriam: "Eu sei coisas a respeito de quem tenho crido." Isto significa que nunca encontraram Deus em Sua glória. As pessoas que vêm às nossas igrejas têm experimentado mais um encontro com homens e seus cerimoniais, que um encontro com Deus e Sua inesquecível majestade e poder. As pessoas precisam ter uma experiência como aquela que Saulo teve na estrada de Damasco, onde encontrou-se com o próprio Deus (Atos 9:3-6). Tal experiência evidencia a diferença entre a onipresença de Deus e a presença manifesta de Deus. O termo "onipresença" de Deus refere-se ao fato de que Deus está em todos os lugares ao mesmo tempo. Ele é aquela  "partícula" do núcleo atômico que os físicos nucleares podem rastrear mas não podem ver. O Evangelho de João aborda esta qualidade divina quando diz: "...e sem ele nada do que foi feito se fez" (João 1.3). Deus está em tudo e em todos os lugares. Ele é essência de tudo que existe, é o vínculo que mantém unidos todos os componentes do Universo e que sustenta a integridade de cada um destes componentes! Isto explica porque as pessoas podem estar em um bar, embriagadas, e, de repente, sentirem o convencimento vindo do Espírito Santo, sem que haja por ali um pastor, alguma música evangélica ou qualquer outra influência cristã. Deus está ali no bar com aquela pessoa. E ela, com a mente entorpecida pelo álcool, perde suas inibições para com Deus. Infelizmente, não é uma decisão baseada na vontade que move essas pessoas para Deus. Tal atitude é fruto da fome de seus corações. Suas "mentes" estão entorpecidas e seus corações famintos. Tão logo a "mente" se recupere, elas retornam ao estado inicial, não foi um encontro válido, a vontade não foi quebrantada. Eis a receita para a miséria: um coração faminto, uma cabeça (mente) orgulhosa e uma vontade não quebrantada (insubmissa). Agora, se Deus pode fazer isto em um bar, por que nos surpreendemos com todas as outras coisas que Ele pode fazer "por Si mesmo"? Muitas pessoas que não foram criadas na igreja dizem que, na primeira vez que sentiram o toque do Espírito, não estavam em um culto. Tudo isto ilustra os efeitos da onipresença de Deus, o Seu atributo de estar em todos os lugares ao mesmo tempo.
                   A manifestação da presença de Deus
Embora Deus esteja presente em todos os lugares ao mesmo tempo, há momentos em que Ele concentra a essência de Seu ser em um local específico. É o que muitos chamam de "presença manifesta de Deus". Quando isto acontece, há uma forte convicção de que o próprio Deus "Se fez presente" em nosso meio. Podemos dizer que, embora Ele esteja em todos os lugares todo o tempo, existem momentos especiais em que Ele está mais "aqui" do que "ali". Por alguma razão divina, Deus escolhe concentrar-Se ou revelar-Se de uma maneira mais forte em um determinado tempo ou lugar. Teologicamente falando, talvez este conceito possa perturbá-lo.  Talvez você esteja pensando: Espere um momento. Deus está sempre aqui. Ele é onipresente. Sim, é verdade, mas, então, por que Ele disse: "...se o meu povo, que se chama pelo meu nome, se humilhar, e orar, e buscar Minha face.."? (2 Crônicas 7.14). Se eles já eram o povo de Deus, qual outra instância de Sua presença deveriam buscar? A face de Deus! Por quê? Porque o favor do Senhor flui para onde quer que esteja voltada a Sua face. Você pode ser filho de Deus e ainda não ter Seu favor, assim como um filho pode ser desfavorecido, sem ser renegado. A expressão usada no versículo é muito interessante. Deus disse a Seu povo, que se eles buscassem Sua face e se "convertessem de seus maus caminhos", então, Ele não só ouviria as suas orações, como também sararia a sua terra. Como podemos ser povo de Deus e ainda permanecermos em maus caminhos? Talvez nossos maus caminhos expliquem o fato de estarmos satisfeitos somente com a proximidade de Deus ao invés de desfrutarmos de Sua presença. Sabe o que vai fazer com o favor de Deus se volte para nós? Nossa fome. Devemos nos arrepender, buscar a face do Senhor, e orar: "Deus, volte os Teus olhos para nós, e nós ficaremos na dependência de Ti."
                           Guiados pelos olhos de Deus
Frequentemente, os cristãos só conseguem se guiar pela Palavra ou pela profecia. A Bíblia diz que Deus quer que superemos isso, e alcancemos uma instância mais elevada, marcada por um maior grau no ternura de coração para com Ele, e por uma maturidade mais profunda, que o permita que Ele venha a nos guiar sob Suas vistas (Salmos 32.8). No tipo de lar em que fui criado, bastava meu pai ou minha mãe me olhar de certa maneira, que conseguiam o trabalho que queriam de mim. Se eu estivesse "aprontando" alguma, eles não precisavam dizer nada. Os sinais que seu olhar dirigia a mim davam-me as instruções de que eu precisava. Será que você ainda precisa ouvir alguém trovejar atrás do púlpito?  Ainda precisa de alguma enérgica profecia para endireitar seus caminhos? Ou você é capaz de ler a emoção de Deus através de Sua expressão facial? Você é suficientemente sensível para que o olhar de Deus o guie e o convença de seu pecado? O que acontece quando Deus olha para você?  Será que imediatamente você diz: "Não posso fazer isso", "Não posso ir por ali", "Não posso dizer isto, porque não agradaria a meu Pai"? Pedro foi convencido pelo olhar de Deus, ao ouvir o cantar daquele galo. Por isso, chorou e se arrependeu.
                             
               FACEBOOK DO EDITOR

http://facebook.com/JOSEGERALDODEALMEIDA

quarta-feira, 5 de fevereiro de 2014

A PRESENÇA DE DEUS NA SUA VIDA..P/13—05/02/2014

       

Quando Davi colocou a arca no carro, pela primeira vez, ele e "todo Israel" pensaram: Deus ficará contente com isto. Veja todas estas pessoas dançando e tocando ao redor da arca. Já que ninguém se preocupou em perguntar a Deus Sua opinião, Ele teve que acabar com a festa. "Basta, nem mais um passo. Vocês notaram este tropeço no meio do caminho? Vamos parar por aqui! Se realmente querem que Minha presença retorne ao seu lugar, de agora em diante será do Meu jeito." Na segunda vez, Davi fez o que deveria ter feito desde o começo. Ele
estudou nas Escrituras como Deus se moveu anteriormente. Como a arca foi transportada de um lugar para outro nos tempos de Moisés? Ele descobriu o verdadeiro propósito e função dos levitas e dos sacerdotes araônicos. E percebeu, pela primeira vez, os paus para serem colocados nas misteriosas argolas nos quatro cantos da arca. "Ah, é para isto que servem as argolas! É intrigante que o nosso majestoso Deus tenha ficado satisfeito com sua arca envergada sobre dois paus!"
                  Nunca despreze a glória de Deus.
Muitos líderes nas igrejas, que estão famintos pela presença de Deus, lêem tudo que podem a respeito do mover de Deus no passado. Por quê? Porque já topamos com a "pedra santa" no meio do caminho. Sinto que, se realmente queremos que a santidade de Deus e a plenitude de Sua glória habitem em nosso meio, precisamos descobrir como lidar com ela de forma adequada. Sabemos que é neste ponto que a carne cai fora, mas qual é a forma mais adequada? O que Deus quer que façamos? Nossa fome é grande demais para ser satisfeita com uma refeição. Queremos mais do que Sua visitação. Queremos que Ele permaneça. Queremos Seu cabode, não o "Icabode". Queremos que Sua presença se manifeste e fique entre nós. Estamos na mesma situação em que se encontrava o Rei Davi. O maior perigo, neste momento, é considerarmos comum aquilo que é santo. A arca da aliança permaneceu na casa de Abinadabe por um bom tempo, mas a presença de Deus não estava ali em plenitude. Alguns escritores acreditam que Uzá esteve junto à arca quando criança. Talvez ele tenha brincado com ela ou sentado nela. Se isto for verdade, é exatamente esse o motivo pelo qual a presença de Deus não estava ali em plenitude. Quando você coloca a glória de Deus no lugar devido, a manifestação de Sua presença e poder começam a ser restaurados em cada passo dado em direção à Sua ordem original. (Poderia aquele tropeço ter vindo do peso adicional da glória, o cabode, restaurando o poder de Deus na arca?) Se não formos cuidadosos, permitiremos que as coisas santas se tornem tão comuns, que começaremos a pensar como Uzá: Veja, posso tocá-la. Cresci junto dela, é inofensiva. Vamos tocar a glória de Deus, mas será só uma vez... Nunca tome a santa presença de Deus por algo comum. Não pense que Deus não está operando somente porque não há ninguém chorando, tremendo ou profetizando. Pense duas vezes antes de bocejar entediado. Muitos dos grandes nomes, na história da Igreja, sabiam que Deus nem sempre manifesta Sua glória de forma que os olhos da carne possam ver. Se pudessem nos aconselhar, diriam: "Não busquem sensacionalismo.  Busquem Deus e O encontrarão." Temos que honrar a presença constante de Deus. Cuido para que ela não se torne algo tão comum para mim, que eu comece a pensar que posso, casualmente, tocar Sua santidade com minha carne. Quero o Senhor, custe o que custar, e não vou permitir que as coisas santas se tornem comuns para mim. Se você está empenhado em buscar a manifestação da glória de Deus, então ore comigo:
"Senhor Deus, estou aqui para encontrá-Lo, estou aprendendo como lidar com a santidade de Sua presença. Tenha misericórdia de mim, Senhor Jesus!"
Uma das primeiras coisas que Deus faz, quando manifesta Seu poder na Igreja, é trazer de volta o respeito por este poder. Qualquer eletricista poderá lhe dizer que antes de mexer na parte elétrica de uma casa sempre se desliga a energia: é a primeira providência a ser tomada. Por quê? Muitos admitem que já experimentaram um choque antes! E o que aprenderam com tal experiência? Adquiriram um respeito profundo e pessoal pelo poder que há na eletricidade e seus efeitos sobre a carne desprotegida. Antes que Deus traga Seu poder sobre a terra, em Sua misericórdia, Ele primeiramente restaura nosso temor pela Sua glória e santidade.  Precisamos adquirir um respeito profundo e pessoal pelo poder da glória de Deus e seus efeitos sobre a carne que não foi consumida pelo arrependimento. Isto não quer dizer que não devemos nos aproximar dela, "usá-la" ou habitar nela. Assim como um eletricista é capaz de trabalhar junto a fios de 220 volts com segurança, uma vez que ele aprendeu a respeitar o poder da eletricidade, Davi e os israelitas aprenderam como honrar e lidar com a glória de Deus manifesta na arca da aliança. Eles até levaram consigo a arca na batalha mais tarde. Deus está nos chamando para levar Sua presença à "batalha" todos os dias como "arcas vivas" ou tabernáculos do Altíssimo. O Senhor quer que habitemos com Ele em uma comunhão íntima, mas, para isto, a carne deve morrer. A unção e o poder de Deus virão sobre nós tão fortemente que Sua presença irá adiante de nós em nosso escritório, nas prisões, nos shoppings e onde quer que formos. Tal avivamento é baseado na presença da glória de Deus, não na obra dos homens, e, por isto, não pode ser contido pelas quatro paredes das igrejas. A glória de Deus tem que fluir pelo mundo.Vejamos outro ponto: na segunda tentativa de Davi em restituir a glória de Deus ao devido lugar, quando convocou os levitas e os descendentes de Arão para levarem a arca, ele deu um aviso solene que se aplica a todo sumo sacerdote do Reino de Deus hoje: "E lhes disse: Vós sois os cabeças das famílias dos levitas; santificai-vos, vós e vossos irmãos, para que façais subir a arca do Senhor, Deus de Israel, ao lugar que lhe preparei. Pois visto que não a levastes na primeira vez, o Senhor nosso Deus irrompeu contra nós, porque então não o buscamos, segundo nos fora ordenado. (1 Crônicas 15.12,13). A palavra hebraica traduzida como "santificar" é QADASH, e significa "separar" ou "tornar santo". Em outras palavras, temos que nos tornar santos assim como Deus é Santo. Você sabe o quanto Davi enfatizou a importância da santificação para aqueles homens? Penso que ele disse:  "Quero mostrar a vocês o túmulo daquele que não estava santificado. Vocês estão prestes a carregar a mesma arca que fez isto a ele. Então é melhor realizarem uma cerimônia de purificação agora mesmo." Imagino que os primeiros homens a colocarem os varais nas argolas, se deram como mortos. Somente "mortos ambulantes" podem lidar com a santidade de Deus.
                           
                FACEBOOK DO EDITOR

http://facebook.com/JOSEGERALDODEALMEIDA

sábado, 1 de fevereiro de 2014

A PRESENÇA DE DEUS NA SUA VIDA..P/12—01/02/2014


Alguém já viu alguma igreja funcionar como aquela de Jerusalém descrita no Livro de Atos? Creio que não. A morte de Ananias e Safira, por terem mentido a Deus (Atos 5.1-11), deveria ser reexaminada pela Igreja hoje. O mesmo Espírito visita a Igreja hoje e Seus padrões de santidade  não mudaram. Quando a glória de Deus veio sobre aquela jovem igreja, houve temor entre o povo, e também trouxe consigo sinais e maravilhas, fazendo com que muitos fossem acrescentados àquela comunidade santa (Atos 5.11-16). Por quê? Os líderes, que eram submissos a Deus, agiam no poder e autoridade do Senhor: Se você não fez nada de errado, enquanto o "Pai" esteve fora, não precisa temê-Lo! Tão logo a presença do Senhor nos sobrevenha, começaremos a fazer as mesmas perguntas que passaram pelo íntimo de Davi, quando ele viu quão sério era lidar com a presença manifesta de Deus. Com freqüência, me pego fazendo a mesma pergunta: "Por que eu, Senhor?" Davi, o salmista e guerreiro de Deus, descobriu, de repente, uma faceta do caráter divino até então desconhecida por ele e pelos filhos de Israel. Infelizmente, é algo que a Igreja hoje também desconhece. Davi decidiu cancelar a viagem para Jerusalém e deixar a Presença, que ele agora temia, na casa de Obede-Edom, próximo a Gate (uma antiga fortaleza filistéia). A arca permaneceu ali por três meses e o Senhor abençoou Obede-Edom juntamente com sua família e suas posses. Por que Davi tropeçou assim como os bois que puxavam o carro? Ele estava em estado de choque. Ele havia feito tudo que sabia, da maneira mais respeitável possível. (Na verdade, os métodos de Davi foram semelhantes aos usados pelos filisteus, anos antes, para transportar a arca dentro do território israelita, de acordo com 1 Samuel 6.7). Ele, alegremente, dançava à frente do cortejo, ao redor do carro e, junto com o resto do povo, cantava e tocava instrumentos. Ele cria que Deus estava satisfeito com os esforços daquele dia. Eles eram uma pequena e feliz "Igreja" levando a presença de Deus de volta a Seu lugar. Então, toparam com uma "pedra" na eira de Nacon, uma palavra hebraica que, curiosamente, significa "preparado". E, obviamente, eles não estavam preparados. Quando Uzá, acidentalmente, segurou a "caixa de Deus" para que ela não caísse do carro, era como se Deus dissesse: "Basta! Até agora permiti que vocês fizessem tudo do seu jeito. Se vocês querem a Minha presença de volta a Jerusalém, terão que agir do Meu jeito." Então, Deus feriu Uzá ali mesmo e interrompeu o cortejo de Davi. Deus saiu de Sua caixa e acabou com as programações humanas naquele dia. Chega de tentar conter Deus em programações vazias! Davi levou três meses para se recuperar, se arrepender e buscar a glória de Deus. O mesmo acontece quando experimentamos a manifestação da glória de Deus hoje. Muitas vezes, temos a pretensão de impedir que o Deus, que cuidadosamente guardamos em uma caixa, "caia" de nossos frágeis programas. Não deveríamos ficar surpresos quando a glória de Deus rompesse nossas caixas. Algo sempre morre, quando a glória de Deus entra em contato com a carne. Davi mudou seus planos e métodos, porque o peso da presença de Deus, subitamente, rompeu sobre ele. O rei Davi pensou: Este é um assunto sério. O que estamos fazendo? Sou a pessoa indicada para isto?
                           Você está disposto a pagar o preço?
Este é exatamente o lugar onde a Igreja está neste momento crucial: chegamos ao ponto mais importante nesta mudança de Deus onde estamos tentando transportar a glória de Deus de volta a seu devido lugar. Alcançamos o trecho onde o chão é irregular e o nosso carro novo está trepidando. É hora de nos perguntarmos: "Será que somos as pessoas mais indicadas para essa tarefa? Será que isto é o que realmente queremos? Estamos dispostos a pagar o preço e obedecer à voz de Deus a todo custo? Estaremos dispostos a aprender como lidar com a santidade de Deus?" Devo avisar-lhe que a glória de Deus, a manifestação de Sua presença, pode "ferir" o corpo da igreja local, como fez a Uzá. Um pastor ungido se aproximaria de sua congregação com muita bondade e diplomacia para dizer: "Se vocês não estão dispostos a buscar a face de Deus, com seriedade, então procurem outro lugar. Se não se agradam em servir ao Senhor, ou estão incomodados com a manifestação de Sua presença, é melhor procurarem outro lugar onde haja menos fome de Deus, para que possam ali permanecer. Por muito tempo, fizemos tudo do nosso jeito. Se quiserem permanecer como 'Saul', se estão satisfeitos em colocar Deus numa caixa, limitando-O a seus programas e procedimentos, por favor, procurem outro lugar. Devo adverti-los que 'a pedra no meio do caminho' está agora a nos dizer que não será possível continuarmos assim." Quando você topar com tal pedra, compreenderá: "Isto não funciona mais, não é assim que se faz." É provável que, até este momento, tudo estivesse muito agradável: danças, pequenas harpas (que nem fazem tanto barulho), pessoas cantando e até alguns números tradicionais de vez em quando. Mas, quando a glória de Deus for restaurada ao Seu lugar de origem, a carne e toda pretensão humana será consumida diante de todos, e isso não será algo fácil de se ver. O arrependimento genuíno é algo que muita gente não consegue suportar. O dia em que confidenciei ao meu amigo pastor: "Deus poderia ter matado você", ambos sabíamos que havíamos "tropeçado no caminho". Deus disse: "Vocês estão falando sério? Querem que Eu Me aproxime? Querem Minha presença? Então, vamos fazer do Meu jeito." Só Deus sabe como os israelitas manejaram a arca, quando ela foi colocada pela primeira vez na casa de Abinadabe, mas sabemos que tudo foi bem diferente depois da morte de Uzá. Uma coisa é certa: Ninguém tocou nela.  O respeito pela glória de Deus marcou aquelas vidas. Provavelmente desejaram sorte a Obede-Edom, dizendo: "Tivemos que enterrar um homem hoje! Ele foi fulminado ao tocar na arca, quando os 'bois' tropeçaram no caminho. Por isto, seja cuidadoso!" Davi pensou: "Não sei se realmente quero que a arca volte a Jerusalém. Ela pode nos matar a todos." Mas, nos três meses seguintes, ele recebeu notícias de como Deus estava abençoando Obede-Edom. De acordo com a Palavra, a bênção estava sobre a casa de Obede-Edom e tudo que ele tocava era igualmente abençoado! Incluindo suas posses, toda sua família e os animais. Havia prosperidade e saúde. Creio que Davi foi checar tais notícias com Obede-Edom: "Sim, é verdade mesmo o que você ouviu." "O que você fez?" "Com certeza, não a tocamos: não deixei que as crianças chegassem  perto dela. Mas desde que você a deixou em minha casa, ela parece emanar riqueza, poder e autoridade. Estas coisas simplesmente aconteceram, não tenho nada a ver com isto." Davi, rapidamente, repensou sua posição a respeito da arca. Ele percebeu que, se a presença e a glória de Deus trouxe bênçãos sobre uma família, o que isto poderia significar para toda uma nação? Então disse:  "Tenho que levar a arca de volta ao seu devido lugar, em Jerusalém."
                        
                FACEBOOK DO EDITOR

http://facebook.com/JOSEGERALDODEALMEIDA

segunda-feira, 27 de janeiro de 2014

A PRESENÇA DE DEUS NA SUA VIDA..P/11—27/01/2014


                           A aparência não importa mais.
Existem templos belíssimos no Brasil e em qualquer país que vamos, mas não importa o que seus magníficos letreiros dizem, Deus é "persona non grata" nestes lugares. Por quê? Porque suas programações, sua dignidade e seu prestígio entre os homens são mais importantes do que a presença do Criador. Todavia, Deus está começando a dispensar Sua graça e misericórdia, e aqueles que estão realmente sedentos têm mudado. Não se importam mais com a aparência ou com o profissionalismo dos programas feitos pelos homens  estão procurando é Deus. Querem a arca da presença de Deus de volta à Igreja. Talvez você esteja no mesmo ponto em que hoje me encontro. Já estive em tantos cultos, onde não havia a presença da "arca". Já suportei tantas canções vazias. Estou cansado até mesmo de meu próprio ministério! Já preguei tantos sermões, sei que foram ungidos, mas não conduziram à presença d'Aquele pelo qual todos esperamos. Talvez eu tenha feito tudo que podia, mas tudo que fiz foi dar ao povo uma pista de algo imensuravelmente melhor e mais poderoso. Só fiz fumaça do lado de fora do véu, quando, na verdade, meu desejo era ir além dele e contemplar a glória do Senhor. Sou grato pela unção, mas agora sei que Deus tem muito mais para nós  Ele mesmo. Lutei e trabalhei no ministério durante décadas, mas agora descobri que, em meio à presença de Deus, tudo que faço perde a importância. Quando a presença de Deus entra em cena, todos  crentes e ímpios, ricos e pobres, sábios e tolos, jovens e velhos todos se prostram diante de Sua temível glória. Ao invés de ficar buscando a unção, devíamos buscar a manifestação da presença e da glória de Deus. A unção capacita a carne cantamos ou pregamos melhor. Mas a "Glória" a consome! Que seja esta a sua busca: a glória de Deus! Davi lembrou-se do relacionamento íntimo que tinha com Deus nos campos de seu pai. Lembrou-se do pequeno e frágil pastor de ovelhas que encarou leões, ursos e até mesmo o guerreiro mais poderoso dos filisteus. E, muitos anos depois, assim que foi coroado rei de Israel e Judá, Davi deu o primeiro passo para concretizar seu sonho: "E disse [Davi] a toda a congregação de Israel: Se bem vos parece, e se vem isso do Senhor, nosso Deus, enviemos depressa mensageiros a todos os nossos outros irmãos, em todas as terras de Israel, e aos sacerdotes, e aos levitas com eles nas cidades e nos seus arredores, para que se reúnam conosco; tornemos a trazer para nós a arca do nosso Deus; porque nos dias de Saul não nos valemos dela." (1 Crônicas 13.2-3,). Os "Sauls" e a carne não têm se valido da arca. Agradeço a Deus por aqueles pastores e igrejas que, famintos pela presença do Senhor, deixam tudo de lado e dizem: "Podemos ter um belo templo, um tabernáculo, mas precisamos de Deus!" Israel possuía todos os cerimoniais, ornamentos e prescrições de Deus, mas não O tinham. Os judeus da época de Jesus tinham o tabernáculo, realizavam todo ritual de sacrifício com perfeição, "cumpriam" com as obrigações da lei, mantinham o sacerdócio levítico funcionando precisamente  mas a arca da aliança não estava lá. Creio que o véu, ao ser rasgado, também expôs o vazio da religião. Aquele rompimento revelava que o Santo dos Santos estava vazio (eles não poderiam nem suspeitar que o véu do "Santo dos Santos" acabara de ser rasgado por um soldado romano, pois o lugar estava absolutamente vazio). Todas as tarefas eram executadas do lado de fora do véu, por detrás dele só havia o silêncio do vazio. Algumas vezes, você precisa admitir que algo está faltando e, então, empreender a viagem para recuperar a "arca". Os fariseus não reconheciam falhas, imperfeições ou que algo estivesse faltando. “(Reuniu, pois, Davi a todo Israel (...) para trazer a arca de Deus de Quiriate-Jearim. Então, Davi, com todo Israel, subiu (...) para fazer subir dali a arca de Deus, diante da qual é invocado o nome do Senhor, que se assenta acima dos querubins." (1 Crônicas 13.5-6.) Nos tempos de Davi, a arca da aliança era sinal da glória de Deus. E ela ainda se encontrava na casa de Abinadabe, em Quiriate-Jearim, onde fora deixada pelos israelitas de Bete-Semes, depois do grande morticínio que houve entre eles. Foram mortos porque se atreveram a abrir e olhar dentro da arca da presença de Deus, como se ela não passasse de uma caixa, muito bonita, porém comum. Vinte anos depois, Davi empreendeu uma peregrinação de vinte e quatro quilômetros, aproximadamente, para recuperar a glória do Senhor: "Puseram a arca de Deus num carro novo, e a levaram da casa de Abinadabe, que estava no outeiro; e Uzá e Aiô, filhos de Abinadabe, guiavam o carro novo. Levaram-no com a arca de Deus, da casa de Abinadabe, que estava no outeiro; e Aiô ia adiante da arca. Davi e toda a casa de Israel alegravam-se perante o Senhor, com toda sorte de instrumentos de pau de faia, com harpas, com saltérios, com tamborins, com pandeiros e com címbalos. Quando chegaram à eira de Nacom, estendeu Uzá a mão à arca de Deus, e a segurou, porque os bois tropeçaram. Então, a ira do Senhor se acendeu contra Uzá, e Deus o feriu ali por esta irreverência; e morreu ali junto à arca de Deus. Desgostou-se Davi, porque o Senhor irrompera contra Uzá; e chamou aquele lugar Perez-Uzá, até ao dia de hoje. Temeu Davi ao Senhor, naquele dia, e disse: Como virá a mim a arca do Senhor? Não quis Davi retirar para junto de si a arca do Senhor, para a cidade de Davi; mas a fez levar à casa de Obede-Edom, o geteu." (2 Samuel 6.3-10). Davi e seus auxiliares estavam tentando lidar com a presença santa e gloriosa de Deus, usando mãos humanas. Como você lida com a santidade e a glória de Deus? Até hoje, tudo tem sido feito do "nosso" jeito, e Deus não vai permitir isto mais. Ouvi alguém dizer que havia uma "pedra no meio do caminho" por onde deveria passar a caravana de Davi. Quem a colocou no caminho? O próprio Deus! As pedras no caminho nos forçam a diminuir o passo e perguntar: "É assim mesmo que se faz?"
                             A pedra no meio do caminho.
Os problemas de Davi começaram quando ele e seus auxiliares tentaram prosseguir após toparem com a "pedra". O Senhor nunca pretendeu que Sua glória fosse carregada nas costas de instrumentos, veículos ou programas criados pelo homem. Ele sempre ordenou que Sua glória fosse transportada por "vasos humanos" santificados, separados,
vasos que reverenciassem e respeitassem Sua santidade. Os filhos de Abinadabe passaram vinte anos junto à arca. Para eles, ela era uma caixa muito bem feita, bonita, mas comum, como qualquer outra. Provavelmente se sentiram honrados em serem escolhidos para guiar o carro que levava a arca, mas nenhum daqueles jovens estava preparado e eles não conheciam as antigas prescrições concernentes à santidade de Deus. A caravana de Davi encontrou a pedra no meio do caminho, os bois tropeçaram e Uzá segurou a arca para que não caísse. O nome Uzá significa "força, coragem, majestade, segurança". A presença de Deus nunca precisou da assistência ou orientação da força humana. E Deus nunca permitiu (nem permitirá) que o braço da carne se glorie em Sua presença, sem que experimente a morte. A glória de Deus abateu a carne que se aproximou "viva" de Sua presença, e Uzá foi morto instantaneamente. Somente os mortos podem ver a face de Deus, e somente a carne que passou pelo arrependimento pode tocar Sua glória.

                          FACEBOOK DO EDITOR

http://facebook.com/JOSEGERALDODEALMEIDA

terça-feira, 21 de janeiro de 2014

A PRESENÇA DE DEUS NA SUA VIDA..P/10—21/01/2014


                              
                          Reverência ao Senhor.
Por que hesitávamos diante de coisas tão simples e corriqueiras? Não sabíamos como lidar com a Santa Presença em nosso meio: éramos amadores nesta matéria (e ainda somos!). Percebi que as primeiras manifestações da presença de Deus aconteceram de repente e sem aviso. Mas nas visitações seguintes, Ele só veio mediante convite, e o convite era a fome por Sua presença. A questão é: Você realmente quer que Ele venha? Você está disposto a pagar o preço de ser um Homem de Deus? Então, terá que aprender como reverenciar e lidar adequadamente com a santidade de Deus. Mordomia, meu amigo! A.W.Tozer preocupava-se com a falta de santidade na igreja. Ele percebeu que os cristãos, em geral, estavam perdendo a noção do que é Santo em seus cultos e na adoração. Para ele, tal irreverência mostrava que o povo não tinha consciência da presença de Deus no meio deles, era como se Ele não estivesse ali. Tozer observou que o anseio por uma vida espiritual estava perdendo espaço para o mundanismo. E em ambiente mundano não se produz o avivamento. Ele sentia que se a Igreja não se voltasse para Deus e buscasse um relacionamento com Ele, O Senhor procuraria outro lugar. Agora sei porque o sumo sacerdote do Antigo Testamento pedia a seus companheiros: "Amarrem uma corda em meu tornozelo, pois estou prestes a entrar onde a glória de Deus habita. Fiz tudo o que deveria para estar pronto, mas nosso Deus é temível." Não tenho medo de Deus, eu O amo. Mas tenho agora um respeito por Sua glória e santidade que não tinha antes. Costumava ser fácil lidar com a unção vinda do Senhor, mas agora sei que é algo santo. Cuido em fazer duas orações antes de ministrar: primeiramente dou graças "Obrigado, Senhor, por vir estar conosco!" E, então, suplico: "Por favor, permaneça aqui, Senhor."Você se lembra da sunamita estéril que preparou um quarto para o profeta Elias, em 2 Reis, Capítulo 4? Ela foi recompensada com um filho. Quando, ainda na infância, Satanás o levou, Deus mandou o profeta ressuscitá-lo. Satanás não pode roubar o que Deus traz à vida, mas esta é uma graça reservada aos que, pela fé, preparam um aposento aõ  que pode realizar milagres. É por isto que, com reverência, agradeço ao Senhor por ter vindo, e, então, digo-Lhe que estaremos preparando provisões para Sua volta. "Senhor, estaremos aqui para louvá-Lo na quarta, quinta e sexta-feira. Nosso único propósito é engrandecer o Seu nome e buscar a Sua face adorável." Pela fé, creio que Ele nos visitará novamente. A Palavra de Deus me assegura que, quando o Senhor nos visita, nada permanece como antes: sempre nasce algo novo e precioso. E, mesmo que o inimigo tente impedir, Deus move céus e terra para recuperar o que Ele mesmo criou! É preciso ter cuidado e sensibilidade no trato com a Santidade de nosso Deus! Devemos lembrar que aquilo que é bom pode ser o pior inimigo daquilo que é melhor. Se você quer o melhor de Deus, terá que sacrificar aquilo que você pensa ser bom e aceitável. Se eu e você pudermos descobrir o que é o melhor e aceitável a Deus, então a promessa de visitação se cumprirá. O que presenciei, foi uma parcela daquilo que Deus está fazendo. E Ele está se movendo em preparação para mais. Movendo-se para o lugar ao qual pertence a glória de Deus O capítulo 13 de 1 Crônicas nos diz que, após a coroação de Davi como rei e a derrota dos filisteus, o jovem soberano decidiu trazer a arca da aliança de volta a Jerusalém. Deus estava de mudança, no sentido de que Seu domicílio velho-testamentário estava se mudando do seu lugar interino de descanso para o lugar ao qual Sua glória pertencia de fato. Deus quer retornar a Seu lugar devido. Jerusalém é apresentada como a representação da Igreja. O apóstolo Paulo fez esta analogia quando falou de Jerusalém "lá de cima" como "nossa mãe" (Gálatas 4.26). Esta é a cidade espiritual ou habitação de Deus. O Senhor quer que Sua glória
esteja na Igreja e que seja visível ao mundo. Houve um tempo em que, pelo pecado ou indiferença do homem, a glória de Deus, Seu cabode (ou "Sua presença substancial") foi removida de seu lugar. O neto do velho sacerdote Eli permanece como ícone perpétuo da ausência de Deus nos planos da humanidade profana. O pequeno recém-nascido recebeu de sua mãe o nome de Icabode, que significa "a glória se foi". Ela entrara em trabalho de parto tão logo soube da tomada da arca, pelos filisteus, da morte de seu marido Finéias e de seu sogro. Os filhos de Eli, Finéias e Hofni, pecaram contra o Senhor em pleno exercício de suas tarefas sacerdotais! (Será que este é o caso de incontáveis ministérios ainda hoje? Talvez se lhes reserve a mesma sorte dos filhos de Eli e sua herança será lembrada sob a insígnia: "Icabode, a glória se foi.") Nos 20 anos seguintes à perda da arca, o rei Saul nunca demonstrou interesse em trazê-la de volta a Jerusalém, mas Davi pensou diferente. Ele desejava, ardentemente, ver a presença de Deus restaurada no lugar de origem, em Jerusalém. Ele queria viver sob a sombra da glória de Deus. É hora de alguém se levantar na Igreja e dizer: "A era de Saul acabou!". Saul foi um rei segundo a carne, Davi foi um rei segundo o Espírito. Saul foi escolhido porque "desde os ombros para cima, sobressaía a todo povo" (1 Samuel 9.2). Por sua estatura e beleza, ele "pareceu" ser o mais indicado. Deus tinha o melhor para o povo, mas em Seu devido tempo. O povo insistiu e quis algo menos do que "o melhor" e Saul foi nomeado rei. Saul perdeu, rapidamente, seu mandato dado por Deus, pois seu governo pretendia agradar aos homens e não a Deus. Não há lugar para "políticos" na obra de Deus. Enquanto filhos de Deus, o nosso "público" é composto de um só: nossa platéia é Aquele que nos criou para o louvor de Sua glória. Davi, por outro lado, foi o rei escolhido por Deus, um homem que tinha sido equipado e treinado através de um íntimo relacionamento com seu Senhor. Quando Deus tirou o reinado das mãos de Saul e o colocou nas mãos de Davi (Veja 1 Samuel 28.17), este disse, através de suas ações: "Não usaremos caminhos humanos para buscar a Deus." A Igreja nunca mais será a mesma, quando pessoas como eu e você se levantarem e declararem suas intenções como Homem e Mulheres de Deus.
                     
                FACEBOOK DO EDITOR

http://facebook.com/JOSEGERALDODEALMEIDA

segunda-feira, 20 de janeiro de 2014

A PRESENÇA DE DEUS NA SUA VIDA..P/09—20/01/2014



Francamente, muitas de nossas igrejas parecem fazer "produções independentes". Onde está o "Pai"? O que devemos, realmente, buscar é um relacionamento real com Deus. Quando o marido e sua esposa se amam, não é difícil imaginar que terão filhos. É uma conseqüência natural do processo de intimidade. Por que os maiores avivamentos do último século não aconteceram em solo americano? Acho que a escassez das manifestações de Deus a uma Nação é proporcional ao declínio da moralidade e do nível de compromisso do seu povo com o Senhor. Penso que a busca do povo americano por um crescimento profundo em intimidade com Deus implicaria quedas na taxas de divórcio e casamentos desfeitos. Em outras palavras: temos esquecido a nossa arte tão louvável de nos comprometermos com Deus. Como fizemos a escolha de fugirmos da presença d'Ele no monte, todos os outros compromissos em nossas vidas começaram a se deteriorar e desmoronar da mesma forma."Crentes de incubadora” não criam raízes A maioria dos cristãos, hoje em dia, vive em "incubadoras": só se desenvolvem em um ambiente acolhedor, longe do medo, angústia ou perseguição. "Ser perseguido em nome de Jesus? Deus me livre." Se forem retirados de seu ambiente confortável e colocados no mundo real, onde sopra o vento da adversidade e cai a chuva amarga das perseguições, ou tiverem que encarar sol forte e a estiagem prolongada, eles descobrirão que nunca desenvolveram raízes na incubadora. Logo, murcharão, dizendo: "Não fui feito para isto!" Deus tratou comigo de tal forma, que tive que redefinir alguns de meus critérios quanto ao que significa ser "salvo". Se a presença de Deus só se manifesta em nossas vidas em "ambientes perfeitos", o que dizer dos cristãos que padeceram (e padecem) perseguições? Deus não estava em suas vidas? Em sua época não havia seminários, corais, nem os últimos hits evangélicos. Não havia templos com ar-condicionado, introdutores, conselheiros, enfermarias, sistemas computadorizados ou santuários carpetados. Seu ambiente não era dos mais agradáveis. Se fossem pegos cultuando ao Senhor, pagavam caro. Li o relato de um grupo de cristãos chineses que foram pegos durante um culto. Os oficiais colocaram um cocho no meio da cidade e obrigaram todos a urinarem dentro dele. Então, mergulharam ali o pastor, bem diante de seus olhos! Sabe o que aconteceu? A congregação dobrou de tamanho em duas semanas e não foi por causa de seu belo santuário ou da equipe de louvor. O verdadeiro crescimento da Igreja, sob qualquer situação, quer de liberdade ou perseguição, só pode vir de um íntimo conhecimento do Deus Vivo.
                  A confissão daqueles que O amam.
Os que amam o Senhor não avaliam seu relacionamento com Ele pela situação de sua vida financeira, emocional ou pelo "aproveitamento do culto". Antes, fazem suas as palavras de Paulo: "Porém, em nada considero a vida preciosa para mim mesmo, contanto que complete a minha carreira e o ministério que recebi do Senhor Jesus para testemunhar o evangelho da graça de Deus." (Atos 20.24)  Esta é a confissão daqueles que amam o Senhor, daqueles que estão em íntima comunhão com seu Criador. Deus está chamando. A primeira vez que Ele me revelou isto, tremi e chorei diante do povo: "Hoje, vocês estão no Monte Sinai e Deus está chamando para um relacionamento pessoal com Ele. Se você ousar responder a este chamado, tudo que tem feito até hoje será mudado." E o mesmo que lhe digo agora: sua decisão hoje irá determinar avanço ou retrocesso na sua caminhada com Cristo. A intimidade com o Senhor requer um certo nível de quebrantamento, pois é do quebrantamento que nasce a pureza. O "culto entretenimento" acabou, meu amigo... Deus está lhe chamando! Será que não queremos subir ao Monte, porque Deus vai olhar dentro de nossos corações (e sabemos muito bem o que Ele vai encontrar)? Temos que tratar não só de nossas ações exteriores, mas de nossas motivações internas. Temos que estar limpos, porque Deus não pode revelar Sua face a uma Igreja "mais ou menos" pura, pois ela seria consumida em questão de segundos. O Senhor chama à purificação todos aqueles que clamam por avivamento. É por você que Ele está procurando. Deus quer que você se aproxime. Mas, para isto, Ele terá que tratá-lo. Isto significa que você terá que morrer. O mesmo Deus que disse a Moisés "Nenhum homem viu a Minha face e viveu", hoje, lhe chama. Então, lembre-se de passar pelo altar do perdão e do sacrifício no seu caminho para o Santo dos Santos. Está na hora de deixar nosso ego na cruz, crucificar nossa vontade e deixar de lado nossos compromissos carnais. Deus convida você para um nível mais elevado de comprometimento. Esqueça os planos que já estão traçados: deixe-os no altar de Deus e morra para si mesmo. Ore: "Deus, o que o Senhor quer que eu faça?" É hora de deixar tudo de lado e cobrir-se com o sangue. Nada pode sobreviver na presença de Deus. Mas se você estiver morto, Ele fará com que viva. Se você quiser desfrutar da presença de Deus, tudo o que tem a fazer é morrer. Quando o apóstolo Paulo escreveu: "Dia após dia morro!", ele estava dizendo: "Dia após dia, entro na presença de Deus" (1 Coríntios 15.31b). Não fuja, entre!
             Como lidar com o que é Santo: Da unção à glória.
"Você calmamente inclina sua fronte em reverência quando entra em uma igreja? Eu ficaria surpreso se sua resposta fosse sim." A. W. Tozer Minha vida mudou para sempre naquele fim-de-semana de outubro, em Houston, Texas. A presença de Deus invadiu a atmosfera como um raio,
rompendo o púlpito no culto dominical. Nunca me esquecerei do que disse ao pastor, meu amigo: "Deus poderia ter matado você." Eu não estava brincando. Era como se Deus tivesse dito: "Estou aqui e quero que Minha presença seja respeitada." A imagem do túmulo de Uzá veio à minha mente. Quando dizemos: "Queremos Deus", não sabemos o que estamos pedindo. Eu mesmo descobri que não sabia. Quando Deus se manifestou, nenhum de nós estava preparado para a realidade de Sua presença. Conforme mencionei antes, houve pouca pregação, não tivemos escolha. Deus tomou Sua Igreja e não permitiu que nada do que não estivesse em Seus planos acontecesse naquele culto. A presença de Deus era tão "densa" que entendi clara e literalmente a palavra que diz: "Tendo os sacerdotes saído do santuário, uma nuvem encheu a Casa do Senhor, de tal sorte que os sacerdotes não puderam permanecer ali, para ministrar, por causa da nuvem, porque a glória do Senhor enchera a Casa do Senhor." (1 Reis 8.10,11)  Deus veio tão repentina e poderosamente naquela igreja, que temíamos fazer algo que não estivesse em Seus planos. É claro que a presença de Deus sempre estivera ali, mas não da forma como a experimentamos. Tudo que podíamos fazer, naquela hora, era ficar lá sentados, tremendo. Temíamos, até mesmo, dedicar ofertas ao Senhor sem Sua permissão específica. Ficávamos nos perguntando: "O que você acha de dedicar nossas ofertas agora? Será que podemos fazer isto? E aquilo?"
                     
                FACEBOOK DO EDITOR
http://facebook.com/JOSEGERALDODEALMEIDA

sábado, 18 de janeiro de 2014

A PRESENÇA DE DEUS NA SUA VIDA..P/08—18/01/2014

        

Algumas vezes penso que quase caímos em uma espécie de idolatria, quando tendemos a louvar a Palavra de Deus mais do que o Deus da Palavra.). O Espírito Santo está dizendo: "Ser resgatado do pecado foi uma experiência grandiosa em sua vida. Você está vivendo no tempo da graça e pode contar sempre com a Minha presença. Sei que você está sob uma boa liderança, mas o que realmente quero é fazê-lo crescer, levá-lo a um novo nível de intimidade."A busca pelo avivamento, em si, nunca fez com que ele acontecesse. O avivamento só nasceu quando o povo buscou a Deus. E muita pretensão acharmos que podemos controlar um avivamento, não podemos determinar "quando, como e onde". Isso seria tão irracional quanto tentar controlar um furacão! Se você puder mantê-lo sob controle, então, não será avivamento. Será o que estamos habituados a ver: uma série de boas conferências, repletas de excelentes pregações, salpicadas por obras de homens! Pode ser muito bom para nós, podemos "curtir" cada minuto, mas isto não é avivamento. Temos que encarar o fato de que nos tornamos viciados nas programações que acompanham a Igreja. Mas não era este o propósito original de Deus, não é isto que Ele chama de "Igreja". Tenho uma forte impressão de que Deus está prestes a colocar tudo isto de lado e nos perguntar: "E, então, quem Me ama? Quem, realmente, Me quer?". É hora de buscar o Avivador ao invés do avivamento! Deus está cansado de relacionamentos à distância com Seu povo. Ele já estava cansado disto há milhares de anos, já no tempo de Moisés. Ele quer um relacionamento íntimo e próximo, com você e comigo. Ele quer invadir nossas casas com Sua presença de uma forma tão poderosa, que aqueles que vierem nos visitar sejam convencidos do pecado ao entrarem pela porta.
                                 Fugir ou entrar.
"Todo o povo presenciou os trovões e os relâmpagos, e o clangor da trombeta, e o monte fumegante: e o povo, observando, se estremeceu e ficou de longe. (...) O povo estava de longe, em pé; Moisés, porém, se chegouà nuvem escura onde Deus estava”. (Êxodo 20.18,21) Que dicotomia divina! Um correu para dentro, o outro fugiu desesperado! Deus estava chamando o povo para Sua intimidade, mas ele correu para o lado oposto! Disseram a Moisés:  “... não fale Deus conosco, para que não morramos" (Êxodo 20.19). Eles entenderam que somente quem se enquadrasse no padrão de Deus, descrito nos Dez Mandamentos, poderia sobreviver em Sua presença. Ao fugir, estavam dizendo: "Não queremos nos submeter a isto! Não deixe que Deus fale conosco agora!" O que o Senhor queria, quando os Dez Mandamentos foram entregues a Moisés, era purificar o comportamento de Seu povo para que pudesse tê-lo mais perto. Deus queria, mais uma vez, andar com o homem no frescor do dia. Ele queria sentar-Se com Seu povo e compartilhar com ele o Seu coração em doce e terna comunhão. Nada mudou, meu amigo! Ele ainda busca o mesmo relacionamento com você e comigo. A reação mais adequada do povo naquela situação seria responder: "Sim, Senhor, fale conosco mesmo se tivermos que morrer!" A triste realidade é que a maior parte dos cristãos não tem noção do
que seja viver na presença constante de Deus, porque se recusam a retirar as impurezas de suas vidas. E, os que tentam retirá-las, se detêm diante do legalismo.
                                 Ouça os passos do Pai.
Os israelitas expressaram seu medo a Moisés, que lhes explicou: "Não temais; Deus veio para vos provar, e para que seu temor esteja diante de vós, a fim de que não pequeis." (Êxodo 20.20) Você já reparou como os passos de nossos pais pareciam mais fortes quando vinham em nossa direção, principalmente se estivéssemos fazendo algo errado? Era isto que os israelitas estavam ouvindo, os passos do Pai. A Bíblia diz que "o povo ficou de longe", enquanto "Moisés se chegou à nuvem escura onde Deus estava" (Êxodo 20.21). Que imagem! O povo corria para um lado e Moisés corria para outro, dizendo: "Venham! É o Senhor que está aqui! Ele só quer que nos aproximemos. Ele nunca fez isto antes. Eu já havia me aproximado antes, mas agora Ele quer que façamos isto juntos." Deus sempre começa pela liderança: Moisés já havia se achegado àquela nuvem. Mas, naquele dia, Deus queria que os israelitas se juntassem a Moisés, e eles fugiram. Parece que a história do povo judeu declinou a partir do momento em que Deus disse: "Venham!", e o povo disse: "Nem pensar!" Este problema não era exclusivo do povo de Deus no tempo de Moisés: ele está bem presente na Igreja hoje. As pessoas não querem compromisso sério com Deus Algo nos faz temer o compromisso que nasce da intimidade com Deus. Talvez porque intimidade requeira pureza. A intimidade requer o fim dos dias de diversão e entretenimento na Igreja. O que quero dizer com "diversão e entretenimento"? Bem, se para você isto significa "muita emoção e pouco compromisso", então, você não tem feito mais do que "flertar" com Deus. Preciso entrar em detalhes? Alguns só querem as emoções e os arrepios, mas sem usar a aliança  de compromisso. São como "garimpeiros religiosos" em busca de unção, dons e bênçãos, felizes com bombons, flores e jóias. Deus está cansado disto! O Senhor busca uma noiva, não uma namorada, alguém que vá se envolver em intimidade e em comprometimento com Ele. Temo que muitas pessoas na Igreja se aproximem de Deus para obter o que desejam, sem, na verdade, estarem comprometidas. Deus está dizendo à Sua Igreja: "Não é isto que Eu quero." Se a Igreja quer o Noivo, temos que nos comprometer. Temos buscado "amor sem compromisso", mas Deus está dizendo: "Intimidade". O avivamento nasce da intimidade. O fruto do avivamento vem do compromisso com o Noivo. Os filhos são frutos da intimidade. É hora de nos aproximarmos. Geralmente, colocamos os carros na frente dos bois. "Queremos o avivamento!" dizemos, mas não mencionamos nada sobre intimidade.  Procuramos o avivamento sem procurarmos por Deus. É como se alguém do sexo oposto chegasse para você, dizendo: "Quero filhos! Não lhe conheço bem, nem sei se gosto de você. Não quero casamento nem compromisso, mas quero filhos. Que tal?"Líderes têm escrito uma infinidade de livros do tipo "como fazer as igrejas crescerem", mas parece que a mensagem que está por trás é: "Veja como fazer a Igreja crescer, sem maiores compromissos com o Senhor." Temos nos esforçado muito em procurar atalhos, lugares que não passem pela intimidade. Por quê? Porque tudo o que queremos é uma "penca de filhos" sentados nos bancos da igreja para que possamos comparar com as de outras famílias (igrejas). Os filhos, por si mesmos, não formam um lar! Eles devem ser frutos de um relacionamento de amor e intimidade.
                             
                 FACEBOOK DO EDITOR

http://facebook.com/JOSEGERALDODEALMEIDA

segunda-feira, 13 de janeiro de 2014

A PRESENÇA DE DEUS NA SUA VIDA..P/07—13/01/2014

        
                      
                     Eis o segredo da terra prometida:
pensamos que a idéia de um "reino de sacerdotes" é exclusivamente neotestamentária, mas este era o plano original de Deus para Israel! "Disse também o Senhor a Moisés: Vai ao povo, e purifica-o hoje e amanhã. Lavem eles as suas vestes, e estejam prontos para o terceiro dia: porque no terceiro dia o Senhor à vista de todo o povo, descerá sobre o monte Sinai. (...) Quando soar longamente a buzina, então, subirão ao monte." (Êxodo 19.10,11,13b)  A primeira geração de israelitas não alcançou a terra prometida, a verdadeira causa de seu fracasso pode ser encontrada ali ao pé do Monte Sinai. Deus pretendia que todos os israelitas se achegassem a Ele no monte, mas eles não se sentiram bem com a idéia. "Todo o povo presenciou os trovões e os relâmpagos, e o clangor da trombeta, e o monte fumegante: e o povo, observando, se estremeceu e ficou de longe. Disseram a Moisés: Fala-nos tu, e te ouviremos; porém não fale Deus conosco, para que não morramos. Respondeu Moisés ao povo: Não temais; Deus veio para vos provar, e para que o seu temor esteja diante de vós, afim de que não pequeis. O povo estava de longe em pé; Moisés, porém, se chegouà nuvem escura onde Deus estava."  (Êxodo 20.18-21.) Eles viram os relâmpagos, ouviram os trovões e recuaram atemorizados. Eles fugiram da presença de Deus, ao invés de buscá-La, como Moisés fez. O estilo de liderança escolhido por Deus não os agradou:  o Todo-Poderoso não "amenizou" a manifestação de Seu poder para agradá-los, nem tampouco fará isto hoje. Eles fugiram da intimidade com o Senhor e, como conseqüência, não entraram na terra prometida. Vagaram pelo deserto, até que fosse exterminada aquela geração. Preferiram um respeito à distância a um relacionamento íntimo. A morte da primeira geração de israelitas no deserto não estava no plano original de Deus. Ele queria conduzir o mesmo povo que tirou da terra da escravidão até a terra prometida. Ele queria que Sua nova nação se apossasse de sua própria terra e herança, mas isto não foi possível por causa do medo e da incredulidade deles. Já estavam sentenciados quando atravessaram o Jordão, e tudo começou quando se afastaram da presença de Deus no Monte Sinai. Foi ali que fugiram de Deus e pediram que Moisés intermediasse este relacionamento. A Igreja tem padecido do mesmo mal. Geralmente, preferimos que um homem se coloque entre nós e Deus. As raízes deste medo percorrem o caminho de volta ao Jardim do Éden. Adão e Eva se esconderam, temerosos e envergonhados, enquanto Deus esperava por uma doce comunhão.
                               Vamos fugir ou entrar?
Agora, observe sua Igreja. Posso garantir com certa segurança que alguns na congregação estão aí "desde o começo". Outros vieram poucos meses depois ou muitos anos mais tarde, e alguns são novos convertidos. Não importa, hoje Deus conduz todos vocês ao monte. Vocês, que "não eram povo", foram feitos povo. Deus os tirou da escravidão do pecado. Alguns foram tirados de relações impróprias, outros foram arrancados do jugo do alcoolismo ou das drogas, outros foram libertados da miséria, depressão crônica e outras escravidões infernais. Mas aqui estamos, ao pé do monte do Senhor, ouvindo Seu chamado para que nos acheguemos. Agora, enfrentamos o mesmo desafio dos filhos de Israel há milhares de anos atrás: Vamos fugir ou entrar? Entrar aonde? Na presença de Deus. Há uma ansiedade e uma expectativa na Igreja hoje. E provável que você, assim como eu, possa sentir que "não estamos muito longe". Alguns estudiosos dizem que, passado o Monte Sinai, bastava uma marcha de poucos dias para alcançar a terra prometida. O que os fez demorar tanto? Sua resistência em se achegar a Deus. O medo da intimidade semeou o medo do inimigo. Posso dizer o mesmo a respeito de muitas igrejas hoje e sinto que estamos em uma encruzilhada. Acreditamos estar longe demais para voltar ou muito cansados para prosseguir viagem. A questão é: O que Deus diz? Creio que a vontade do Senhor é que tomemos consciência de onde estamos, busquemos Sua face e recebamos o que Ele tem para nossa vida hoje. Você e eu vamos fazer duas coisas daqui para frente:
1. Vamos crescer no relacionamento com Deus, custe o que custar, ou
2. Vamos voltar para o lugar de onde viemos e continuarmos a ser aqueles crentes viciados em programações, reuniões e sessões, fazendo tudo que pessoas de bem, como nós, devem fazer? Se decidirmos equivocadamente, um dia vamos lamentar: "Aquele era o tempo."Não sei quanto a você, mas quanto a mim, não quero envelhecer e olhar com arrependimento para o passado, dizendo: "Bons tempos aqueles..." E por que eu faria isto, quando posso viver o agora com Deus? Posso experimentar o que Ele tem para mim a cada instante. Se ousarmos seguir Deus hoje, ao olharmos para trás diremos: "Oh, sim, eu me lembro daqueles anos, foram antes do avivamento...”.
                     Nosso futuro depende de nossa visão.
Nosso futuro vai depender de nossa visão agora, este é o tempo da decisão. Se nossa visão for: "Estamos satisfeitos com nosso trabalho até aqui", então continuaremos fazendo as mesmas coisas de hoje. Mas, se ousarmos dizer: "Obrigado Senhor... mas onde está o resto? Tem que haver mais! Mostre-nos Sua glória!", nosso futuro será totalmente diferente. Satanás tem obtido "bons resultados" ao fazer os crentes cruzarem falsas linhas de chegada. Ele trabalha incansavelmente para isto. Corremos poucos quilômetros e dizemos: "Conseguimos!" Ele se delicia ao nos ver sentados no acostamento. E, então, percebemos, no último momento, que a linha de chegada está mais adiante. O apóstolo Paulo sabia do que estava falando:
"...esquecendo-me das cousas que para trás ficam e
avançando para as que adiante de mim estão, prossigo para o
alvo, para o prêmio da soberana vocação de Deus em Cristo
Jesus."  (Filipenses 3.13b,14)
Precisamos tirar lições do que aconteceu no Monte Sinai. Foi ali que os israelitas construíram um tabernáculo de acordo com as instruções que Deus deu a Moisés. Foi no Monte Sinai que Deus revelou a Moisés Sua lei e os Dez Mandamentos. Porém, outros fatos, igualmente importantes, aconteceram: foi naquele lugar que um bezerro de ouro, destinado à idolatria, foi criado. Em primeiro lugar, Deus revelou Sua intenção de lidar com o povo de forma direta e pessoal. Até então, era Moisés quem relatava ao povo tudo que Deus dizia. Aquele era, pois, um tempo de transição, um período em que Deus estava dizendo: "Tudo bem, é hora de crescer. De agora em diante, quero tratar com vocês diretamente, como uma nação de sacerdotes. Não quero intermediários. Amo Moisés, mas não quero ficar falando com vocês através dele. Quero falar diretamente com vocês, como Minha nação, Meu povo". Ainda existem muitos "bebês de colo" nos bancos das igrejas Infelizmente, o problema dos israelitas repete-se hoje em dia. Os cristãos estão tão acostumados a unção, boas pregações e bom ensino, que muitos se comportam como crianças de peito. Querem sentar-se em bancos acolchoados, em templo com ar-condicionado, onde alguém possa mastigar o que Deus tem a dizer e colocar em suas boquinhas. Têm medo de se engasgarem com aquelas mensagens "duras demais". Seu aparelho digestivo é muito frágil e não está acostumado à dura verdade! Quando estivermos realmente famintos e desesperados, não precisaremos de "intermediários". Temos que orar: "Deus, estou cansado de assistir à experiência dos outros com o Senhor! Onde está a chave do meu quarto de oração? Vou ficar trancado ali até que, eu mesmo, possa experimentá-Lo!" Fazemos bem em ler a Palavra, sem dúvida, é muito importante. Mas precisamos lembrar que a Igreja Primitiva não teve acesso, por muitos anos, ao que chamamos de Novo Testamento. E nem mesmo possuía as Escrituras do Antigo Testamento, porque os pergaminhos ficavam trancados nas sinagogas. Partes da Lei, dos Salmos e dos Profetas, transmitidos oralmente por seus avós (se fossem judeus), eram as únicas Escrituras de que dispunham. O que eles tinham, afinal? Intimidade com Deus em um nível tão enriquecedor, que não havia necessidade de se debruçarem sobre antigas epístolas. As cartas de amor de Deus estavam sendo impressas em seus próprios corações: eles se tornaram "cartas vivas" (Minhas afirmações, aqui, não significam que eu pense que a Bíblia seja desnecessária ou irrelevante. Não penso que Ela seja nada menos que a ungida e infalível Palavra de Deus. Meu propósito é alertar os cristãos contra a prática de ler a Bíblia sempre sob uma perspectiva passada: "Veja o que Deus fez antigamente, com aquele povo! Pena que Ele não aja assim hoje." A Palavra de Deus nos conduz a algo muito maior  ao Deus da Palavra.
                             
                  FACEBOOK DO EDITOR

http://facebook.com/JOSEGERALDODEALMEIDA

quinta-feira, 9 de janeiro de 2014

A PRESENÇA DE DEUS NA SUA VIDA..P/06—09/01/2014



Geralmente, a "lei dos precedentes" se aplica a eventos que ocorrem paralelamente no mundo natural e espiritual. Minha fome pelo desencadeamento da manifestação da glória de Deus é tamanha, que mal posso expressar sua intensidade ou urgência. Minha oração é: "Senhor, deixe que a chuva caia! Desta vez o inimigo não terá "bueiros" suficientes para escoar as águas. Sua chuva se elevará de tal forma que todos serão tomados pela poderosa onda de Sua glória. Deixe que chova, Senhor!" Que as fontes sejam rompidas e os poços desobstruídos! Reivindique  sua herança! Finque estacas pela cidade! A terra é do Senhor! Ele já fez isto antes, Ele poderá fazê-lo novamente! Mande chuva,  Senhor!
                                     Vamos fugir ou entrar?
Uma chance para encontrar Aquele que você sempre soube que estava lá Quando vejo pela noite, nas festas ou em bares, pessoas bebendo e agindo como verdadeiros ímpios não posso evitar, mas, de certa forma, eu gosto delas! Geralmente, não estão fingindo: sabem muito bem quem são e o que estão fazendo. (Os que realmente me irritam são aqueles que fingem ser algo que não são!) Quando passo por um barzinho ou boate, quase sempre me vem à mente um pensamento inusitado: Senhor, por que não aqui? Por que não manifesta Sua presença neste lugar? Para mim, o avivamento ocorre quando a glória de Deus rompe as quatro paredes de nossa igreja e flui pelas ruas. O avivamento que tomaria proporções históricas em nossos tempos seria aquele em que a glória de Deus se manifestasse em shoppings às sextas-feiras à noite. Eu adoraria ver as administrações destes shoppings sendo obrigadas a contratar capelães que trabalhassem em tempo integral, para atender às pessoas que fossem encontradas chorando e se arrependendo pelos corredores. E seriam muitas! Eu quero ver as linhas telefônicas ficarem congestionadas, tamanho o número de chamadas por ministros voluntários para lidarem com o fluxo de pessoas que seriam convencidas de seu pecado ao atravessar as cidades. (Os seguranças sabem como lidar com os "trombadinhas", mas o que fariam com as pessoas que viessem até eles angustiadas e arrependidas?) Que venha esse dia! Creio que Deus tem suscitado uma tal fome pela Sua presença que, no "dia do Senhor" (se Seu povo buscá-Lo), as igrejas existentes não serão capazes de lidar com a explosão de almas perdidas buscando salvação. A Igreja moderna é, na melhor das hipóteses, uma assistente social, ou, na pior das hipóteses, um museu onde está exposto tudo aquilo que já foi um dia. Nossas prateleiras estão abarrotadas, mas com o "produto" errado. Estão repletas de rituais religiosos concebidos por homens e ninguém, em sã consciência, está faminto por isto! Celebrações religiosas, cerimônias e ritos vazios não despertam o apetite de ninguém. Se oferecêssemos Jesus, as massas famintas viriam. Talvez não haja o "produto" certo em nossos cultos, porque, como já vimos, tem um custo. A Igreja, hoje, está na metade do caminho em sua jornada pelo deserto. Estamos acampados ao pé do Monte Sinai, como os filhos de Israel no livro de Êxodo. Chegamos ao ponto decisivo. E agora? Vamos fugir ou entrar? "Subiu Moisés a Deus, e do monte o Senhor o chamou e lhe disse: Assim falarás à casa de Jacó, e anunciarás aos filhos de Israel: Tendes visto o que fiz aos egípcios, como vos levei sobre asas de águias, e vos cheguei a mim. Agora, pois, se diligentemente ouvirdes a minha voz, e guardardes a minha aliança, então sereis a minha propriedade peculiar dentre todos os povos; porque toda a terra é minha; vós me sereis reino de sacerdotes e nação santa. São estas as palavras que falarás aos filhos de Israel. " (Êxodo 19.3-6). Estamos diante de uma linguagem neotestamentária nas páginas do Antigo Testamento. Ao povo foi dada a opção de saltar a um nível mais elevado de intimidade (Veja 1 Pedro 2:9).
                     Chegamos a um Monte da Decisão.
Podemos nos alegrar com as "sarças ardentes", com nossos primeiros encontros com Deus e com tudo que Ele pode nos fazer ou proporcionar. Mas, agora chegamos ao momento da decisão: estamos diante de uma bifurcação no caminho. Deus nos tirou do pecado e do mundo e fez de nós um povo. Durante a jornada pelo deserto, Deus estava constituindo um povo daquele que não era povo. Pedro escreveu: “... vós, sim, que antes, não éreis povo, mas agora sois povo de Deus, que não tínheis alcançado misericórdia, mas agora,
alcançastes misericórdia ". (1 Pedro 2.10)  Deus tomou escravos, analfabetos e sem auto-estima, plantou neles Seu caráter e colocou sobre eles Seu nome. Deus os tirou do Egito e disse: 'Agora, farei de vocês um povo." Ele estava, literalmente, constituindo uma Noiva. Não foi fácil, mas o Senhor conduziu os descendentes de Abraão ao pé do Monte Sinai. Quando aquela multidão teve fome, Deus queria que eles O buscassem, Ele queria saciá-los, mas eles censuraram Moisés e declararam como seria bom voltar ao Egito, o lugar de sua escravidão. Todavia, Moisés orou e Deus proveu maná e codornizes. O mesmo aconteceu quando não havia água. Ao invés de clamar a Deus e confiar em Sua abundante providência, eles imediatamente murmuraram contra Moisés, fazendo menção dos "bons tempos" no Egito. Deus tinha algo melhor para os filhos de Israel: Se passarmos deste monte, posso ter esperança em conduzi-los pelo resto do caminho.
                      Chamados para o coração de Deus.
A triste verdade do livro de Êxodo é que o grupo que Deus levou ao Monte Sinai não foi o mesmo que Ele conduziu através do Rio Jordão em direção à terra prometida. Algo aconteceu naquele monte. O Senhor os chamou, e fez deles uma nação pela primeira vez na história de suas vidas. Ele os chamou a um lugar,  um lugar de bênção e de transformação , e eles se recusaram. Este "lugar" não era um simples ponto no mapa. Embora Deus lhes tivesse prometido uma terra, a bênção não era um pedaço de chão. Deus os chamou para Ele, um lugar prometido n'Ele, em Seu coração. Ele os chamou para o lugar da Aliança, um lugar de intimidade com o Criador, um lugar que não havia sido oferecido a nenhum outro povo da terra naquele tempo.
                          
                  FACEBOOK DO EDITOR

http://facebook.com/JOSEGERALDODEALMEIDA

terça-feira, 7 de janeiro de 2014

A PRESENÇA DE DEUS NA SUA VIDA..P/05—07/01/2014



Ele encontrou tanta água, que teve que pelejar constantemente contra assaltantes filisteus e, finalmente, mudar-se para Berseba, ou "poço do juramento". Foi ali que Jacó teve o encontro com o Deus vivo e descobriu seu verdadeiro direito de primogenitura no plano de Deus (Veja Gênesis 28:10-16). O Senhor está desobstruindo poços antigos do avivamento nestes dias. Existem lugares onde a glória de Deus permanece como uma poça de água parada, um charco. As pessoas têm que vir ao poço para serem satisfeitas, mas nos padrões que Deus estabelecer. Deus vai reabrir os poços antigos antes de trazer à tona novos poços. O Senhor falou : "Vou visitar novamente os lugares de avivamentos históricos para dar outra chance ao Meu povo. Vou convocá-los a remover o entulho dos poços antigos, para que o novo avivamento seja firmado sobre as fundações do avivamento antigo."Em outras palavras: antes que o verdadeiro avivamento possa irromper, nos shoppings ou outros lugares, terá que começar nos altares de nossas igrejas e fluir dali pelos corredores até atingir o limiar da porta e alcançar as ruas, como cumprimento da profecia em Ezequiel 47: Depois disto, o homem me fez voltar à entrada do templo, e eis que saíam águas debaixo do limiar do templo, para o Oriente; porque a face da casa dava para o Oriente, e as águas vinham debaixo, da banda direita da casa, da banda do sul do altar. Ele me levou pela porta do norte e me fez dar uma volta por fora, até à porta exterior, que olha para o oriente; e eis que corriam as águas ao lado direito. Saiu aquele homem para o Oriente, tendo na mão um cordel de medir; mediu mil côvados, e me fez passar pelas águas, águas que me davam pelos tornozelos. Mediu mais mil e me fez passar pelas águas, águas que me davam pelos artelhos; mediu mais mil, e me fez passar pelas águas que me davam pelos lombos. Mediu ainda outros mil, e era já um rio que eu não podia atravessar, porque as águas tinham crescido, águas que se deviam passar a nado, rio pelo qual não se podia passar. Toda criatura vivente que vive em enxames, viverá por onde quer que passe este rio, e haverá muitíssimo peixe, e aonde chegarem estas águas tornarão saudáveis as do mar, e tudo viverá por onde quer que passe este rio.  Junto ao rio, às ribanceiras, de uma e de outra banda, nascerá toda sorte de árvore, que dá fruto para se comer; não fenecerá a sua folha, nem faltará o seu fruto; nos seus meses produzirá novos frutos, porque as suas águas saem do santuário; o seu fruto servirá de alimento e a sua folha de remédio." (Ezequiel 47.1-5,9,12) Não é curioso que o rio da presença de Deus, que fluía de seu santuário, tornava-se mais profundo à medida que o profeta andava? Por fim, Ezequiel já não podia mais tocar o fundo do rio, as águas o cobriam, estavam fora de seu controle. Busco um avivamento que não possamos conter! E, sua parte mais rasa será o "templo"!

                    A próxima onda da glória de Deus.

Acredito que algumas cidades são antigos poços da unção de Deus são lugares de avivamentos históricos  e Deus está convocando pastores e congregações nestas cidades para reabri-los. Remover entulhos de poços antigos não é uma tarefa das mais agradáveis. Quando um pastor, amigo meu, comprou um terreno na Índia, disseram-lhe que havia um velho poço naquela propriedade. E não era um poço comum "vertical": era inclinado horizontalmente ao lado de uma montanha. Quando os homens daquele ministério começaram a trabalhar para remover o entulho, encontraram um amontoado de móveis e maquinário velhos e abandonados em meio ao mato que crescera por ali. Centenas de cobras também tiveram que ser removidas daquele lugar. Meu amigo me disse: "Limpamos todo o local e fomos dormir. Quando acordamos, na manhã seguinte, esperávamos encontrar uma poça de água estagnada. Mas vimos que a água começara a brotar e a fluir com tanta força que, da noite para o dia, formou-se uma torrente!" A próxima onda de avivamento virá quando Deus desobstruir os poços artesianos de Sua glória! Muitos poços localizados nos desertos do meio-oeste dos Estados Unidos são verdadeiros lagos. Existe água suficiente, vertendo dos reservatórios naturais da terra, para mantê-los cheios quase todo o tempo, mesmo no calor do deserto. A maioria dos seres viventes do ecossistema desértico se dirige a estes oásis em busca da água de que necessitam para viver. Nos últimos anos, Deus tem desobstruído lugares onde Sua presença permanece perenemente e, assim, Ele tem trazido vida a milhares de perdidos e crentes sedentos. Mas eles têm que ir em direção ao poço. Existe um poder na peregrinação que foi esquecido. Agora, Deus está prestes a liberar a próxima "onda" de Sua unção. Em vez dos velhos lagos, haverá novíssimos poços artesianos cujas torrentes vão explodir com uma força imensa. De acordo com o dicionário Webster's Ninth New Collegiate, um "poço artesiano é aquele que resulta da perfuração da terra até que água seja encontrada, e esta, por efeito da pressão interna, ascende à superfície como uma fonte; poço artesiano é o que geralmente resulta de uma perfuração em profundidade ."Esta nova "onda" da glória de Deus será produto da perfuração do poço de Sua presença pelo Seu povo e explodirá, em nosso mundo, com tamanha força, que a presença restauradora de Deus vai ultrapassar cada barreira ou obstáculo, a fim de fluir pelas ruas áridas de nossa cidade e de nossa nação. É assim que a glória de Deus vai encher toda terra (Isaías 6.3 e Habacuque 2.14). Fontes de água da vida transbordarão! Você não terá que ir às águas do poço artesiano, elas virão até você! Considerando que as águas, em seu percurso, sempre procuram os níveis mais baixos e os pontos que apresentam menos resistência, não é difícil entender porque Jesus, o "resplendor da glória [do Pai] e a expressão exata de Seu ser" (Hebreus 1.3a), disse: “... e aos pobres está sendo pregado o evangelho" (Mateus 11.5). A glória de Deus sempre buscou preencher o vazio na vida dos homens. Em dias vindouros, a glória de Deus vai emanar de onde menos se espera e começará a fluir e encher os que oferecerem menos resistência. E, somente ao Senhor, será tributada a glória. Naquele momento, algo me dizia: "Sim, Senhor! Mande ondas após ondas de Sua glória até que, literalmente, tudo seja inundado! Que seja removido tudo aquilo que não provém de Ti." Faça chover, Jesus, reine sobre nós!
                          
                   FACEBOOK DO EDITOR

http://facebook.com/JOSEGERALDODEALMEIDA

quinta-feira, 2 de janeiro de 2014

A PRESENÇA DE DEUS NA SUA VIDA..P/04—02/01/2014



Certa vez, quando  em uma conferência com Frank Damazio na cidade de Portland, Oregon. Ele disse que alguns pastores em Portland haviam se unido para fincar estacas em lugares estratégicos no perímetro daquela região e nas principais fronteiras. Foi um trabalho demorado, porque eles oravam sobre cada estaca colocada, como se elas simbolizassem uma demarcação espiritual. Impelido pelo Espírito Santo, disse ao Frank: "Se você providenciar  estacas, irei às cidades aonde Deus me enviar e ajudarei os pastores a demarcar o território para o Senhor." Então comecei a orar: "Deus, mostre-me um precedente para que eu possa compreender o que o Senhor está fazendo aqui. Assim, saberei porque colocou este desejo em meu coração."Tal compreensão me sobreveio mais tarde, justamente na Califórnia, exatamente no lugar onde "a corrida do ouro" teve início. Quando os garimpeiros encontravam uma terra onde pudesse haver ouro, fincavam uma estaca e assim reivindicavam o território. Alguns terrenos eram mais valiosos que outros por causa do que havia sob eles. Para reivindicar um terreno naquela época, era preciso fincar uma estaca no chão. A estaca deveria levar o nome da pessoa e uma breve descrição da área que estava sendo reivindicada. O terreno seria avaliado formalmente mais tarde. Enquanto isso, a estaca era um "documento" tão importante quanto uma escritura. Se ninguém reclamasse a terra, outra pessoa poderia remover a estaca antiga, fincar sua própria estaca com seu nome e as dimensões da terra, e dizer: "De acordo com a lei, reivindico esta terra. Estou em processo de possessão e ocupação e esta estaca é a prova de
que, por lei, este terreno é meu." Os pastores e congregações que desenvolveram raízes em uma cidade ou região têm "direitos legais", sob orientação de Deus, para reivindicar suas cidades para o Rei fincando suas estacas no território. Mantivemos nossa fé cercada pelas quatro paredes de nossas igrejas. Agora, Deus nos chama a estendermos a fé além das fronteiras de nossas cidades e nação. Ao demarcamos o território de nossas cidades, estaremos expandindo as "paredes" de nossas igrejas. E isto nos obriga a encararmos o fato de sermos "a Igreja" na cidade, um povo sob Senhorio de Deus, composto de muitas congregações de acordo com o modelo "Igreja-cidade" do primeiro século. Fizemos estacas de madeira e escrevemos as palavras "Renovação, Avivamento, Reconciliação", juntamente com versículos bíblicos. Fizemos um furo no meio da estaca e uma proclamação, enrolada como um pergaminho, foi inserida nele. Havia cerca de vinte versículos nas estacas e na proclamação, um deles se encontra em Isaías 62, e diz:"Eis que o Senhor fez ouvir até às extremidades da terra estas
palavras: Dizei à filha de Sião: Eis que vem o teu Salvador; vem com ele a sua recompensa, e diante dele, o seu galardão. Chamar-vos-ão: Povo Santo, remidos do Senhor; e tu, Sião, serás chamada a Procurada, Cidade não deserta." (Isaías 62.11,12.)

               Arrependimento, Reivindicação e Resistência.

Na proclamação contida em cada estaca fincada no solo das cidades, havia esta declaração feita pelos "representantes legais" de Deus naquela cidade: "Baseado na Palavra de Deus, manifestando apoio aos líderes desta cidade, me coloco como representante dos outros pastores que desejam: arrepender, reivindicar e resistir. Arrependemo-nos, pedimos ao Senhor que nos perdoe pelos pecados deste Estado e desta região, especialmente, desta cidade. Pedimos perdão pelos pecados de corrupção política, preconceito racial, perversão moral, feitiçaria, ocultismo e idolatria. Clamamos que o sangue de Jesus purifique nossas mãos do derramamento de sangue inocente. Pedimos perdão pelas divisões na Igreja, perdão pelo orgulho, perdão pelos pecados da língua e qualquer outro pecado que tenha ferido a causa de Cristo. Nós nos arrependemos e nos humilhamos, clamamos misericórdia sobre nossa terra, nossa comunidade e nossas igrejas. Reivindicamos, clamamos pela vinda do Reino de Deus, para que Sua vontade seja feita nesta cidade. Pedimos, em Nome de Jesus, o derramamento da graça, misericórdia e fogo para que haja um avivamento espiritual que cubra a comunidade, a fim de que as pessoas se voltem para Deus, se purifiquem, sejam quebrantadas e se humilhem. Clamamos que o destino desta cidade não seja frustrado. Clamamos que o Senhor visite esta cidade, nossas igrejas e lares. Que esta cidade não seja esquecida. Clamamos por uma restauração baseada na justiça. Também resistimos, em submissão a Deus, pela fé, ao inimigo e suas obras, a todas as forças e poderes demoníacos que têm escravizado esta cidade. Resistimos ao espírito de maldade que estabeleceu fortalezas nesta cidade. Resistimos aos lugares obscuros, às obras das trevas, aos lugares onde o inimigo esteja acampado. Clamamos o Nome do Senhor para que tais fortalezas espirituais sejam destruídas e proclamamos, neste dia, que esta cidade, especialmente esta região, está agora sob o poder e senhorio do Espírito Santo. Por meio desta proclamação, avisamos a todos os outros espíritos, que desde já eles estão banidos desta terra pelo poder do Nome de Jesus. Hoje, nos colocamos na brecha e edificamos uma cerca de proteção ao redor desta cidade." Antes de adquirir uma propriedade, ela tem que ser avaliada. Então, é preciso que você determine se está disposto a pagar o preço pela possessão da terra. Quando demarcarmos nossas cidades, como povo de Deus, estaremos declarando guerra ao reinado satânico, através de uma ofensiva direta, destemida, sem desculpas ou hesitação. Estaremos dizendo ao inimigo: "Declaramos, diante de Deus, e queremos proclamar: Vamos tomar a cidade!" (Me senti tão compelido a isto que, juntamente com um grupo de intercessores, fui à Rua Bonnie Brae, em Los Angeles, Califórnia, local onde tudo começou e que cresceu tanto, a ponto de ser mudado para a Rua Azusa. Enquanto intercedíamos ali, naquele terreno, fincamos uma estaca! Algo parecia romper em meu coração (espero que, também, nas regiões celestiais). Senti como se tivéssemos esbarrado em um poço antigo! O entulho começava a ser removido. Que as águas da rua Azusa fluam novamente!).  Veio a mim uma palavra do Senhor a respeito de "poços antigos", que se aplica diretamente às cidades, bem como às mais antigas denominações e igrejas. Antes que novos poços artesianos sejam perfurados, Deus vai reabrir ou desobstruir os poços antigos. Gênesis capítulo 26 nos diz que Isaque fez com que seus servos reabrissem os poços que seu pai Abraão cavara muitos anos antes no Vale de Gerar. Embora os filisteus os tivessem entulhado depois da morte de Abraão, Isaque ainda os chamou por seus nomes de origem.
                          
                 FACEBOOK DO EDITOR

http://facebook.com/JOSEGERALDODEALMEIDA